Star Trek: Nemesis

February 25th, 2003 § 1 comment

Minha e esposa e eu fomos ao cinema sexta-feira para a estréia de Star Trek: Nemesis. Como eu escrevi anteriormente, eu estava aguardando o filme com uma certa expectativa principalmente por que Jornada nas Estrelas é uma das coisas relacionadas com ficção científica das quais eu mais gosto. Eu também fui com um pouco de medo em relação ao enredo do filme já que o mesmo fracassou bombasticamente na bilheteria nos Estados Unidos. A julgar pela quantidade de gente na sessão, a recepção do filme também não foi muito boa no Brasil. Embora fosse dia de estréia, havia somente seis pessoas na sala. Mesmo considerando que era a última sessão do dia e que fãs de Jornada das Estrelas não são tantos aqui em Belo Horizonte fiquei abismado. Pelo visto o filme vai fracassar completamente aqui também.

Porém, apesar do que mencionei acima, saí do cinema satisfeito. Mesmo levando em consideração as fraquezas do filme, não acho que ele mereceu o descaso sofrido por parte dos fãs — embora, de certa forma, eu seja suspeito para falar no que se refere aos filmes: gostei de todos sem exceção, mesmo dos que a maioria dos fãs consideram ruins. Eu não sou desses fãs que saem vestindo roupa por aí em conferências, mas não tenho problemas com nenhum episódio ou filme.

Voltando à estória do Nêmesis, pela chamada do filme nos trailers que eu havia visto anteriormente, esse filme marca a despedida na Nova Geração e o roteiro é coerente com isso. O filme trata de uma conspiração dos remanos, uma raça que vive no planeta gêmeo ao dos romulanos para tomar o controle do senado romulano e destruir a Federação subsequentemente. Para isso, um remano desenvolveu uma arma mortal, Nêmesis, baseada em uma radição proibida capaz de destruir qualquer coisa viva. O interesse do filme fica por conta de descobrir que esse remano, chamado Shinzon, é na verdade humano e um clone de Picard. Shinzon, que foi alterado geneticamente para chegar rapidamente à idade de Picard, está morrendo e somente uma tranfusão completa do DNA daquele podera salvá-lo. A partir desses elementos, o filme contrói um duelo em que o tempo é curto tanto para a Enterprise, que precisa salvar a Terra da arma de Shinzon, quanto para este, que precisa de apossar-se de Picard para conseguir a transferência de DNA.

Particulamente, eu achei que o filme jogou bem com os fatos envolvidos. Picard e Shizon formam um par interessante e a estória ressalta um pouco do conflito gerado pela co-existência dos dois. Shinzon é capaz de prever o que Picard faria em determinadas situações, mas acaba vítima de sua própria arrogância. O duelo final entre os dois, na nave de Shinzon foi um dos pontos altos do filme culminando com o sacrifício de Data para salvar tanto a Enterprise como Picard. Embora eu já soubesse disso pelos rumores que andaram circulando pela Internet nos últimos anos, o impacto do acontecimento não foi menor e eu não pude deixar de lamentar a passagem desse personagem tão querido do universo de Jornada nas Estrelas, mesmo considerando a aparente reviravolta final do filme em relação a esse evento. De qualquer forma, o sacríficio de Data tem um significado especial para o personagem que sempre tentou superar sua programação original e tornar-se mais humano. A entrega de sua vida, positrônica que seja, mostra que ele finalmente alcançara o seu objetivo.

Assim, no geral eu achei que o filme foi interessante e valeu a pena. Mesmo assim, deu para perceber por que muita gente não gostou. O final é um pouco abrupto demais e até por isso um pouco anti-climático.

A única coisa que eu realmente lamento no Nêmesis (como lamentei no Gerações) é que a despedida dos personagens não foi levada mais em conta. Picard e sua equipe (assim como Kirk) mereciam uma saída mais considerada de um universo do qual eles se tornaram parte fundamental. Considerando que eu sempre gostei mais da Nova Geração do que da série original, isso foi particulamente triste para mim. Uma pequena compensação foi poder ver a Enterprise E em toda a sua glória, depois de ter sido bem economizada no filme anterior.

A Nova Geração vai deixar saudades. Na minha entrada anterior sobre o filme, eu disse que havia uma qualidade especial nela que nenhuma das outras séries conseguei ter. Os atores conseguiram imbuir os seus personagens de uma humanidade e compaixão que sempre ressoaram fortes em mim. Saber que a última cena teve que ser refeita por que Patrick Stewart começou a chorar sem querer na mesma só torna isso mais real.

A estes exploradores que nos deram tanto prazer em compartilhar suas aventuras conosco, eu desejo uma boa última viagem.

§ One Response to Star Trek: Nemesis

  • Ronaldo! Não tive tempo ainda de te responder, cara. Mil perdões. É o seguinte, eu me esqueci que neste fim de semana agora será o Carnaval… tenho uma viagem combinada para sábado, por isso naquele horário não sei se poderei comparecer. Comé que faz agora?

    Abração

What's this?

You are currently reading Star Trek: Nemesis at Superfície Reflexiva.

meta