Um Cântico para Leibowitz

April 22nd, 2003 § 10 comments

Um Cântico para Leibowitz, de Walter Miller, é um desses livros que deixam o leitor com uma sensação de desconforto após a leitura. Essa sensação vem da maneira como o autor lida com o tema principal de sua obra, trazendo às claras um dos maiores medos da nossa geração: o apocalipse que pode ser precipitado pelo poderio nuclear desenfreado.

A estória começa seiscentos anos após uma catástrofe nuclear global que praticamente varreu a humanidade da face da Terra. Após o desastre, que inundou o planeta em um dilúvio de fogo, os sobreviventes procuram destruir não só o conhecimento científico, julgado por eles um dos causadores da hecatombe, como também eliminar os homens responsáveis por esse conhecimento, resultando no mergulho da humanidade em uma era de barbárie e primitivismo. Apesar disso, nos anos de escuridão que se seguem à tragédia, um ordem de monges, cujo padroeiro é São Leibowitz, procura preservar alguns restos da antiga ciência através da Memorabilia: textos científicos que ninguém mais compreende copiados incontáveis vezes à espera de que alguém surja para integrá-los em um novo Renascimento. Em um mar de desconhecimento, esses monges permanecem como um pequeno barco procurando uma distante costa iluminada. O tempo passa e a humanidade retorna ao progresso graças, em parte, ao esforço desses homens. Nessa nova era, será a memória do dilúvio nuclear suficiente para impedir um novo desastre?

O livro, que venceu o Hugo em 1961 e provavelmente teria vencido o Nebula também se este existisse na época, causa um impressão profunda pela sua riqueza e complexidade. Miller tece uma trama sutil que envolve o leitor e o deixa em um estado de permanente descrença quanto aos motivos humanos. Essa é, em si, a maior qualidade do livro. Longe de ser uma apologia ao progresso, o livro é um questionamento sobre o valores por trás dos avanços tecnológicos da humanidade, embora, de maneira alguma, seja contrário à ciência ou ao desenvolvimento da mesma. Assim, o autor chama a atenção para as questões realmente importantes do crescimento da saber científico.

Desde a primeira vez em que o li, há muitos anos atrás, Um Cântico para Leibowitz ganhou um lugar entre os meus livros preferidos de ficção científica. É um dos livros que eu procuro reler de tempos em tempos pela sua qualidade literária, e é certamente digno de figurar em qualquer relação ou biblioteca dos melhores livros de ficção científica de todos os tempos. Em suma, totalmente recomendado.

§ 10 Responses to Um Cântico para Leibowitz"

  • Muito bom mesmo, o modo como você compilou a estória.
    Concordo completamente com teus argumentos e aproveito para parabenizar pelo teu web-trabalho.
    Este livro é muito especial para mim, pois marca uma fase de deslumbre pela Ciência e pela Sci-Fi.
    Além do que, me foi indicado por um amigo muito querido.
    Abraço

  • Ronaldo says:

    Muito obrigado pela visita, pelo comentário e pelo elogio também. :-) É bom saber que o blog tem conseguido o seu propósito de criar discussão, informar e promover o conhecimento por mais limitados que sejam meus esforços.

    Eu adoro leitura e fico sempre contente também em encontrar outras pessoas que tem a mesma paixão. Esse livro também é muito especial para mim e, como eu disso, um dos que vivo relendo sem que ele pare de causar o sentimento de encanto que causou na primeira vez. A propósito, se você tiver dicas e comentários sobre quaisquer livros, mesmo sobre os que eu não postei aqui, eu gostaria de ouví-los. Volte sempre! 😀

  • Litha says:

    Inspirativo livro, que nao somente encanta pela transparencia da possibilidade real e proxima, mas faz refletir pelo o que eh o aprendizado – aquele q temos e usamos ou aquele que nos enchem de informacoes q ao serem repassadas, jamais serao compreendidas pois nao fazem parte do processo evolucionario ao qual todos estamos sujeitos?
    Qual a mensagem q estamos deixando? com q pedras estamos deixando o caminho que passamos? por que queremos q os proximos facam igual a nos?
    ciencia a servico do humano ou humano a servico da ciencia?
    maravilhoso
    http://www.holon.kit.net
    http://www.comcienciaja.hpg.ig.com.br/index.htm

  • Marcelo says:

    É um excelente livro. Recomendo a todos que gostam de boa leitura de ficcao e reflexao. Nao sei atualmente, mas quando o comprei só achava em sebos. Há alguns links na internet que disponibiliza o livro em formato digital para baixa-lo

  • Ronaldo says:

    Como eu não canso de dizer, esse livro é realmente leitura indispensável para qualquer fã. Eu comprei o meu em um sebo: novinho e por R$ 8,00. Não acreditei quando vi o preço. 😀

  • Daniel says:

    Excelente resumo. Um dos livros mais intrigantes e interessantes que já li. Obrigado por ter colocado essa página na net para que mais pessoas possam ter contato com essa obra!

  • maria das merces apostolo says:

    sou professora de historia da escrita e historia do livro e esse livro é bibliografia obrigatótia no meu curso.
    parabéns pela sensibilidade

  • Cristiano Moreira says:

    este livro, o li fazem 10 anos e não consigo esquecê-lo, agora leio o Admirável Mundo Novo de Huxley e percebo em ambos a voz apocalíptica.

  • Aurélio says:

    Penso que faltou citar uma da temáticas do livro que é a deturpação de textos científicos, dando-lhes conotação religiosa. Toda a síntese do livro é em torno dessa deturpação que nos leva à própria deturpação dos textos bíblicos. O que é científico e incompreensível para um leigo nesse míster, transforma-se em texto religioso. Imagine-se a 2005 anos atrás um tratado sôbre física nuclear ser traduzido e interpretado por um frade da época…Elétrons, Neutrons…seriam novos deuses?

What's this?

You are currently reading Um Cântico para Leibowitz at Superfície Reflexiva.

meta