O papel do seu blog

November 17th, 2003 § 6 comments

Uma coisa que sempre chama a atenção de qualquer blogueiro é a possibilidade de conseguir mais visitantes para o seu blog. Por mais que digamos que só escrevemos para nós mesmos, ou para a família, o fato é que queremos uma audiência. Somos necessariamente narcisistas — muito mais do que autores de livros, filmes ou outros tipos de obras que se enquadram em categorias similares. Logo, quanto mais visitantes, melhor.

O que eu estou falando não é novidade. Existem até livros escritos sobre o tópico, dando esquemas e regras para ganhar um público fiel. Seja por reconhecimento ou por dinheiro, um fluxo bom de visitantes é algo sempre desejável. Blogueiros analisam exaustivamente suas estatísticas procurando reconhecer padrões que os possibilitem criar esse fluxo. Outros se congratulam por suas milhares de visitas mensais.

Obviamente, como em qualquer meio, o conteúdo é que importa. Dado um bom conteúdo, o público aparecerá. A pergunta é: qual é o tipo de conteúdo apropriado para um blog? Se há um interesse em audiência, deve existir uma preocupação nesse sentido.

Algumas semanas atrás, eu encontrei, em uma das minhas andanças pela blogosfera, um texto interessante de Dave Pollard falando exatamente sobre esse tópico. Baseado em uma pesquisa que ele fez, ele chegou à conclusão que as pessoas que lêem blogs gostariam de ver mais coisas como:

  1. pesquisa original;
  2. ficção original e interessante;
  3. boas descobertas: recursos, blogs, ensaios e trabalhos artísticos;
  4. notícias não encontradas em nenhum outro lugar;
  5. agregação que capture o melhor de muitos blogs de modo que eles não precisem ser lidos
  6. individualmente (estamos falando de seleção manual, não de seleção automatizada);
  7. opinião política concisa e inteligente;
  8. análises quantitativas e comparações;
  9. histórias pessoais, experiências e lições aprendidas;
  10. relatos de primeira mão;
  11. relatos oculares de eventos em curso;
  12. insight: perspectivas novas e pensamento inovador;
  13. material educacional curto;
  14. gráficos “a-há!” reveladores;
  15. boas fotos;
  16. boas ferramentas e checklists;
  17. análises, resenhas, sumários e outras coisas que poupam tempo;
  18. passatempos: testes pessoais, avaliações e outros conteúdos interativos similares.

Essa lista não é de maneira alguma surpreendente. É o que você obteria de qualquer pesquisa que expandisse o que é esperado de um meio escrito para um meio interativo e com suporte a múltiplas mídias como a Internet. Mas há algumas coisas interessantes a considerar.

A lista revela um traço fundamental humano: somos preguiçosos. Conteúdo que suporta essa preguiça tendem a ser bem sucedidos. Eu já perdi a conta de quantos comentários foram postados em meu blog, nas resenhas de livros e filmes, pedindo análises, sumários e coisas similares. Um blog em alguma área similar, disponibilizando material de qualidade, seria certamente bem visitado e poderia gerar ganhos indiretos. Pode parecer irônico dizer isso, mas não há como escapar a essa realidade. O menor caminho é sempre o melhor para a maioria das pessoas.

Outra coisa que a lista explica é a popularidade de alguns blogs que são meras listas de links ou informações encontrados em outros lugares: algumas pessoas são realmente boas em coletar itens de interesse e passá-los adiante em pequenos pedaços de fácil absorção. O que significa que o conteúdo não precisa ser necessariamente original. Precisa, apenas, se enquadrar em uma categoria correta e garantir um fluxo regular que satisfaça os consumidores finais. Dependendo o mercado, apenas copiar notícias de um lugar para o outro pode garantir uma boa visitação. Listas também tendem a se autoperpetuarem. Um a vez que uma lista interessante inicial seja criada, leitores contribuirão com mais itens de interesse.

Blogs estritamente pessoais também tem um nicho na blogosfera. Esses, porém, são os mais difíceis de serem escritos de maneira que crie uma audiência fiel. As pessoas não estão interessadas no que um blogueiro fez no dia-a-dia, mas estão interessados em eventuais problemas enfrentados no parto da mulher desse mesmo blogueiro. Basta olhar para qualquer lista de acessos gerados a partir do Google para um site e perceber a tendência de informações procuradas. Obviamente, esse é um espaço em que a especialização é quase que impossível. Mas a informação pode servir de chamariz para outros tipos de informação.

Existem, então, dois caminhos a serem seguidos aqui: diversificação ou especialização. Parece ser óbvio falar assim, mas o fato é que muitos blogs ficam no meio entre as duas coisas e, como resultado, não chegam a lugar nenhum. Se a intenção de um blog é apenas diversão, não há problema. Mas se há algum propósito no mesmo (e quase sempre há — eu já consegui trabalhos profissionais através do meu blog pessoal), um balanço é necessário em algum ponto. Não há nenhum problema em escrever somente para os amigos, mas depois não há como reclamar da baixa visitação. Em algum ponto, a escolha deve ser feita.

Existe um mercado lá fora. Blogs são uma parte desse mercado, de uma forma ou de outra. E, na minha opinião, a participação dos blogs nesse mercado é indireta, gerando indicações para outras áreas. Alguns poucos blogs terão sucesso por si próprios, mas a maioria será apenas alavancas para seus possuidores — se bem usados, é claro. Cabe a cada um decidir o papel de seu próprio blog nesse espaço.

§ 6 Responses to O papel do seu blog"

  • Sérgio says:

    Um blog pode ser, também, uma maneira prática de fazer um backup de nossos insights, descobertas, links e descobertas na blogosfera ou infosfera…
    Neste caso só terá ibope para pessoas com interesses semelhantes. Neste caso, audiência é emnos fundamental.
    Mas concordo que pode ser mais um cartão de visita, para possíveis convites profissionais…

  • Sérgio says:

    Hum..o blog pode ser apenas uma maneira prática de se fazer backup de nossos insights, descobertas, links, etc…Neste ponto a audiência não é tão fundamental.
    Mas pode ser também uma ferramenta de markenting pessoal, aí a audiência é algo fundamental.

  • Ronaldo says:

    Respondendo aos dois comentários, um blog realmente é o que a pessoa quer. A maioria é muito pessoal, com um público bem restrito. Mas pode ser uma ferramenta poderosa em alguns casos.

    O que eu acho engraçado, até porque todos nós temos, é a preocupação com acessos. Eu ainda estou para ver um blogueiro que não se preocupa com isso. Somos narcisistas mesmo. :-)

  • Luccks says:

    Olá Ronaldo. Bem interessante seu texto sobre tendencias e comportamento dos bloggeiros + a pesquisa apresentada. No meu caso, acabei optando também pela especialização. No caso, na diversão, no bom astral, na melhora do humor. Antigamente colocava um monte de fotos, tentava agradar a gregos e troinanos.. Mas com o tempo percebi que uma boa montagem trazia mais comentários (poucos dependendo do ponto de vista, na proporção de 150visitas/1comentário)do que antes. Nunca cheguei ao ponto de olhar muito as estatísticas de visitantes, mas ando preucupado porque eles normalmente não ficam mais que 4 minutos no blog. Talvez seja o suficiente para melhorar o humor…
    []’s

  • Ronaldo says:

    Realmente não dá para agradar a todos como um blog. Mesmo os blogs mais famosos que eu leio, que geralmente apresentam um bom conteúdo na maioria do tempo, têm seus dias de cão. Mas acho que se a pessoa realmente tem interesse em fazer o seu blog dar certo, como um veículo próprio, é necessário um bom foco, mesmo que este seja amplo.

  • Por mim tudo gira à volta de propósitos tais como curiosidade, o elevar do nosso ego, […] enfim o de fazermos algo que nos é oferecido de mão beijada, sem grandes complicações e acima de tudo sem ter que saber alguma coisa sobre linguagens de programação. Pondo de outra maneira, talvez nesta comparação assaz estranha […] é uma maneira de ser rico sem possuir fortuna alguma.

What's this?

You are currently reading O papel do seu blog at Superfície Reflexiva.

meta