Programação, estética e religião

August 19th, 2004 § 14 comments § permalink

O Jonas Galvez continua com suas divagações líricas sobre o Python, empolgado com as capacidades da linguagem. E ele tem razão. Em relação às linguagens em uso difundido atualmente, o Python aparece como uma das mais produtivas e mais interessantes. Quando eu penso que as linguagens mais usadas para programação Web atualmente são o PHP, Perl e VBScript — linguagens que são primariamente procedurais — eu fico até desanimado.

A escolha de uma linguagem de programação é sempre uma coisa meio religiosa. Debates do tipo “minha linguagem de programação é melhor que a sua” abundam na Internet e sempre que dois programadores se encontram. Eu já ultrapassei há muito a minha quota nessas guerras. Alias, você já ouviu falar em alguém que saiu do seu emprego por conta do desgosto com a linguagem de programação usada na empresa? Pois é, foi o que eu fiz. Escolha de linguagem é religião. » Read the rest of this entry «

Voltando…

August 16th, 2004 § 2 comments § permalink

Meros dez meses depois de ter trocado de emprego, eu estou de volta à minha firma antiga.

Na época em que eu saí, eu estava realmente precisando de uma mudança. Como eu disse então, eu estava meio saturado com o tipo de atividade que estava fazendo e precisava de uma pausa. Dez meses foram uma pausa e tanto.

Agora, de volta ao emprego anterior, eu certamente vou acabar mexendo com algumas das mesmas coisas que me incomodavam na época. A vantagem é que a pespectiva é diferente. E também há a oportunidade de trabalhar com coisas novas, o que já é uma diferença na rotina diária. Essa semana eu passei imerso no .NET, me acostumando com uma plataforma da qual eu tinha apenas um conhecimento pequeno. Apesar dos problemas, é uma boa plataforma. (Heresia! Principalmente vindo de um partidário do código aberto.)

Embora minha estadia no outro emprego não tenha sido o que eu planejei, eu aprendi muita coisa e deixei amigos para trás da mesma forma. Foi uma boa oportunidade de refletir sobre os valores reais por trás da minha carreira e minhas intenções para o futuro.

O resultado é que agora eu tenha uma visão mais clara do que quero fazer — tanto na área de programação quanto nas outras áreas da minha vida. Ironicamente, meu computador em casa agora se transformou em um editor de texto glorificado à medida que eu me dedico mais a outras atividades em casa que não o desenvolvimento.

É bom estar de volta.

Fictionwise e e-books

August 13th, 2004 § 4 comments § permalink

Livros no Brazil são caros. Todo mundo sabe disso. Há muitos razões para o fato, incluindo aspectos sociais e econômicos mas não é sobre isso que eu quero falar agora. Infelizmente, essas realidades criam um mercado elitista, já que somente aqueles com um boa renda podem consumir livros regularmente, mas são realidades difíceis de serem mudadas.

Um efeito colateral desse elitismo é o fato que alguns gêneros são virtualmente ignorados pela indústria de livros aqui. Ficção científica e fantasia são os exemplos mais perenes desse fato nos círculos que discutem essas coisas. Como FC&F são os mercados em que eu estou mais interessado, eu sempre fico desanimado com a falta de bons livros para comprar nos mesmos. Neuromancer, por exemplo, teve uma tradução brasileira somente no fim de 2003, quase que vinte anos depois de sua publicação — e somente porque a trilogia Matrix criou interesse suficiente nos assuntos que o livro discute.

Desde que quase não há um mercado FC&F, a solução é importar livros, um processo ainda mais caro (e demorado) que depende da maldita relação entre o dólar e o real — que, como sabemos, só opera contra do consumidor. E para piorar, o envio é geralmente muito caro, chegando algumas vezes a ficar quase o mesmo tanto que o livro. O resultado é que para comprar uma paperback, o consumidor acaba pagando o preço de três ou quatro edição de capa dura.

Dados todos esses fatos, eu me interessei por e-books desde a primeira vez que li sobre eles. Primariamente, porque gosto da portabilidade dos mesmos. Em segundo, obviamente por causo do fator preço. Desde que não há envio além de um mero download, parte do problema do preço é resolvido. Quando eu comprei um Palm há alguns meses, a primeira coisa que eu fiz então foi testar as capacidades do mesmo nessa área. Como eu descobri, ainda está muito longe de ser um experiência similar a ler livro no papel, mesmo com toda a evolução que já ocorreu na área, mas já é suficiente para permitir uma boa leitura.

Essa explicação toda, na verdade, é só para recomendar a Fictionwise, uma loja virtual de e-books que considero a melhor do mercado. Eles não somente tem a melhor quantidade em oferta, mas também o melhor preço — e isso sem falar nos descontos semanais e individuais que eles praticam. A maioria dos livros que eles vendem está na faixa ou abaixo do preço de seus equivalentes paperback. Livros com preço acima desse só no caso de editoras que acham que um e-book devem custar o mesmo que livros de papel.

Uma das coisas mais interessantes sobre a Fictionwise é que eles tem um compromisso de evitar livros com proteção DRM. Grande parte dos livros que eles oferecem é isenta de qualquer proteção nos vários formatos oferecidos. É claro que a maior dos melhores livros está protegida, mas isso também é meio inevitável no mercado atual.

O site tem um monte de coisas interessantes, uma das melhores sendo as contas Micropay. Como eles vendem muitos livros abaixo de cinco dólares, e compras nesse valores incorrem em taxas adicionais, eles criaram uma espécie de conta virtual onde você deposita um valor qualquer acima de cinco dólares e pode ir usando com o tempo, poupando as taxas extras. Isso é especialmente útil para estórias curtas, cujos valores estão, em geral, abaixo de dólar.

O suporte também é excelente, e eles tem um forte compromisso com seus clientes — por exemplo, quando um dos provedores de livros com DRM deles mudou o esquema de segurança e não deu a mínima para os clientes, a Fictionwise arquivou todos os arquivos que os clientes haviam comprado — arquivos individuais totalizando milhares de livros — permitindo que esses clientes pudessem continuar a baixar os livros sem inconveniência, o que, caso contrário, levaria eventualmente a perdar do investimento. É claro que teria sido melhor que eles tivessem liberado os livros sem DRM, mas essa não é uma decisão que eles podiam fazer.

Ao contrário de muitas outras empresas, os e-mails que eles mandam são úteis também. Como são customizados para cada usuários, baseado nas compras feitas anteriormente, eles são informativos e no ponto. E geralmente oferecem descontos especiais também. À medida que o usuário compra e informa quais de livros gostou ou não gostou, a acurária da customização aumenta.

No geral, então, eu recomendo a Fictionwise como um bom lugar para comprar e-books se você tem interesse pela coisa. Além de dar acesso a livros que não são encontrados exceto por importação aqui, o preço também vale a pena. O que, é claro, é a melhor parte.

Atualização: Se alguém resolver comprar na Fictionwise, me manda um e-mail já que a loja tem promoções para comprar entre amigos também. 😛

Where am I?

You are currently viewing the archives for August, 2004 at Superfície Reflexiva.