Sobre rubis e trilhos

December 9th, 2004 § 11 comments

Como eu mencionei algum tempo atrás, eu comecei a usar o Ruby nos meus projetos Web, através do framework Rails. Eu confesso que estou cada vez mais espantado com as capacidades da linguagem. A exemplo do Python, o Ruby não se coloca no caminho do programador e oferece um produtividade impressionante, mesmo para quem não têm tanta experiência da mesma. É pena que usa tantos underscores nos nomes dos métodos…

Para a aplicações Web, o Rails está realmente se mostrando um dos melhores frameworks que eu já vi. As coisas são tão fáceis e intuitivas que o uso da documentação é quase que desnecessário. Eu vivi uma epifania quando vi como fazer a parte de autenticação no Rails. Tão simples que chega a doer ao pensar em como isso teria que ser implementado em outras linguagens.

Agora são os amigos que têm que me agüentar nos instant messengers da vida, pregando as virtudes do Ruby e do Rails. Mas, vendo como o Rails reduz o tempo de programação, eu não consigo resistir. Um amigo, por exemplo, estava reclamando da repetitividade em fazer formulários com validação em PHP. No Rails, essa tarefa se resume à invocação de um método e à adição de regras em um objeto. O resto, o framework faz transparentemente.

Tem coisa melhor que isso?

§ 11 Responses to Sobre rubis e trilhos"

  • Dennis says:

    Cara, esse seu post veio a calhar. Ouvi falar sobre esta arquitetura outro dia, de passagem pelo blog do Evan Williams, e fiquei super interessado. Baixei uns vídeos de tutorial (do tipo: don’t tell me, show me) e fiz a config básica aqui no meu mac. Fiquei um pouco receoso de começar a usar e me empolgar demais. Como estão os provedores em relação a isto? E fica rápido o produto final? Vem com um botão “Paz mundial” ???

  • Ronaldo says:

    Opa!

    Sobre a questão dos provedores, a maioria suporta Ruby, mas não na versão que o Rails precisa. Acredito que a maioria também permita uma atualização caso seja necessário. Se não deixarem, resta sempre a hipótese de instalar o Ruby direto em seu diretório home.

    Quanto à velocidade, o Ruby é inferior em performance ao Python, em alguns casos significativamente. Mas se a aplicação não lidar com milhões de registros simultaneamente, não acredito que haja problemas. Entretanto, não testei além de algumas centenas de registros.

    Por fim, quanto ao botão “Paz mundial”, chega próximo. :-)

  • TaQ says:

    Estou engatinhando no Ruby agora, e me parece muito bom. Mas só posso falar alguma coisa daqui à 1 mês mais ou menos ehehe preciso ler! :-)

    []’s

  • Daniel Koch says:

    Brincadeira né? Eu fui a loucura quando vi o Rails, mas só veio fazer sentido quando comecei a desenvolver 3 sistemas em PHP ao mesmo tempo, aí eu vi que precisava de algo mais rápido.

    Mas eu também preciso estudar Ruby, não conheço muito. Valeu Ronaldo!

  • hammett says:

    Mais uma alma que encontrou a luz :-)

  • Ronaldo says:

    TaQ, eu estou empolgadíssimo. Já estou experimentando com umas coisinhas avançadas e gostando muito. Tudo é bem tranqüilo no Ruby. Acho que é a primeira linguagem que eu vejo, além do Smalltalk, que é tão produtiva assim. Nem o Python me causou essa impressão tão positiva.

    Daniel, como já conversamos, vai fundo. Quando mais eu conheço o Rails, mais interessante o acho.

    Guaracy, pois é. Foi legal aparecer lá. A menção me rendeu muitos visitantes (embora quase nenhum comentário).

    Hammet, o engraçado é que foi exatamente isso que eu disse para um amigo a quem convenci usar o Ruby.

  • TaQ says:

    “Nem o Python me causou essa impressão tão positiva.”

    Ah não, eu já não aguentava aquela ladainha de Python x Java, agora depende de quem ver esse seu comentário aqui vai se doer e vai começar Python x Ruby. De novo, não! 😀

  • Ronaldo says:

    Nada. Depois que a pessoa começa a mexer com o Ruby esquece que o Python existe… :-) Brincadeirinha…

    Falando sério, cada linguagem tem seus pontos positivos e negativos. Eu puxo a sardinha para o Ruby mais por causa do meu encanto perene com o Smalltalk. A duas linguagens são bem parecidas.

    Aliás, dizem que o Ruby é mais usado que o Python no Japão. Não sei se é verdade, mas seria interessante se fosse. De qualquer forma, conhecer mais linguagens é sempre um ponto positivo.

  • TaQ says:

    Vai, bocudo. :-)
    Olha o que eu achei ontem:
    http://blog.ianbicking.org/thoughts-on-ruby-on-rails.html
    Concordo plenamente com você nos pontos positivos e negativos, detesto briguinha de linguagem, mas tem uns que adoram fazer circo em cima disso. :-)
    E que venham as linguagens! :-)

  • Ronaldo says:

    Finalmente respondido com uma entrada nova no blog. Vamos ver se o Bicking vai se dignar a responder,. :-)

What's this?

You are currently reading Sobre rubis e trilhos at Superfície Reflexiva.

meta