RSS como plataforma

March 18th, 2006 § 4 comments

Com os desenvolvimentos recentes no mundo do RSS (e seus derivativos), incluindo o lançamento da Windows RSS Platform, a conversa sobre o uso do formato como uma plataforma real de transporte de dados ganhou um novo tom. Uma boa parte da conversa agora é sobre como maximizar o potencial do formato e ferramentas e como resolver problemas existentes.

Do que eu li até agora, não vi muita discussão sobre feeds RSS mutáveis, isto é, feeds RSS interativos, que permitem que o usuário passe dados através do agregador, fazendo com que o comportamento futuro do feed seja mudado com base naquilo que ele escolheu.

Obviamente, suporte para isso ainda não existe nos agregadores atuais — pelo menos em nenhum dos que eu conheço e/ou testei. Aliás, por causa do medo de problemas de segurança como XSS e outras mazelas similares, a maioria dos desenvolvedores de agregadores RSS preferiu simplesmente banir toda e qualquer possibilidade do uso de objetos e formulários dentro de feeds, incluindo JavaScript, Flash, etc.

O grande problema dessa atitude é que ela limita extremamente o que se pode fazer com RSS. Há pouco mais que um ano atrás, respondendo a uma questão de uma amiga, eu escrevi um artigo sobre feeds interativos. A aplicação ainda está no ar e pode ser acessada na área de testes desse blog. É um feed RSS que, ao invés de prover somente conteúdo, oferece uma ação em algumas das entradas. Dada a limitação dos agregadores atuais, pode ser necessário abrir cada entrada no navegador para alcançar a interatividade desejada.

A grande questão é: o que pode realmente ser feito com o RSS? Uma plataforma somente leitura é suficiente? Eu acredito que não. Considerando o contexto em que eu elaborei a aplicação acima, o de um curso distribuído via RSS, uma plataforma somente leitura não oferece muito interesse. Um curso típico possui uma árvore de atividades que depende muito das escolhas dos usuários, sem considerar ainda a questão de avaliações. Um formato somente leitura não é suficiente para uma experiência plena nesse contexto.

Como mencionado acima, há considerações de segurança a serem feitas. Permitir qualquer tipo de conteúdo pode levar a episódios como o protaganizado há alguns anos por Mark Pilgrim, que tomou o “controle” de agregadores RSS por meio de um HTML cuidadosamente construído. O texto que ele escreveu depois influenciou toda a geração atual de agregadores no que tange à segurança. Ainda assim, navegadores lidam com as mesmas variáveis e — a despeito de todos os problemas — sucedem em fazer tudo funcionar.

Antes que eu comece a repetir o que já escrevi no texto anterior, eu acredito que o RSS pode evoluir bem além do que existe atualmente. Novas aplicações — principamente no tão aclamado estilo Web 2.0 — dependem de uma possibilidade maior de ação do que a oferecida pelos agregadores atuais. Como a competição na área parece estar a pleno vapor, não duvido que logo vejamos mudanças.

§ 4 Responses to RSS como plataforma"

  • Só uma pequena nota. Não necessariamente precisariam ser feeds RSS, certo? Atom também poderia ser usado. Ou não.

  • Não é minha área mas não consigo ver o motivo da substituição de um navegador por um agregador.

    Se ficar na dependência de alterações nos agregadores, acharia melhor a utilização/criação de um protocolo específico bem como o desenvolvimento de programas específicos como clientes.

  • Veremos sobre isso. O difícil vai ser o sistema de feeds em geral se popularizar na web.

    Há muitos, é verdade, mas ainda está longe de ser uma massa.

  • Ronaldo says:

    Diego, Atom poderia ser usado sim. Eu até hesitei em usar RSS pela carga histórica do nome, mas acabei optando para descrever qualquer tecnologia nessa área.

    Guaracy, você entendeu que eu estava sugerindo isso? Acho que me comuniquei mau. A menção ao navegador foi colateral, para exemplicar as questões de segurança.

    O bom do RSS é que ele pode ser usado dentro e fora do navegador e onde estiver, inserido em um contexto maior. Permitir conteúdo dinâmico ajudaria nesses casos, tornando o RSS uma espécie de transporte/protocolo com regras claras para situações específicas.

    Grande Líder, eu acredito que já alcançamos a massa crítica. Além disso, com o IE, líder, infelizmente, do mercado de navegadores, e o Windows, integrando tudo, vai popularizar ainda mais.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading RSS como plataforma at Superfície Reflexiva.

meta