Atlas Shrugged

October 10th, 2006 § 0 comments

“That which you call your soul or spirit is your consciousness, and that which you call ‘free will’ is your mind’s freedom to think or not, the only will you have, your only freedom, the choice that controls all the choices you make and determines your life and your character.”

Pelo que parece, Atlas Shrugged, de Ayn Rand, vai mesmo virar um filme, com a personagem principal interpretada por ninguém menos que Angelina Jolie. Considerando que as pessoas envolvidas no projeto até o momento parecem admiradoras da obra, é bem possível que o filme seja uma adaptação decente–até onde é possível fazer isso com um livro que chega a quase 1100 páginas e que inclui um capítulo com 60 páginas formadas por um único discurso.

Mesmo não sendo um partidário do Objetivismo, eu considero Atlas Shrugged um dos melhores livros do século XX. A obra, publicada em 1957, é uma crítica social brilhante que permanece válida em muitos níveis, inspirando dezenas de outros trabalhos–entre os quais a extremamente popular série de fantasia The Sword of Truth, que é basicamente uma releitura do trabalho de Ayn Rand (incluindo os longos discursos).

Concordando ou não com muitas das conclusões a que ela chega, é inegável para o leitor que a autora pensou cuidadosamente sobre os temas que aborda no livro e se ela não resistiu à vontade de pontificar, refletir esses temas e a relação dos mesmos com outros trabalhos de cunho filosófico é um bom exercício.

O filme chega em 2008 e se você gosta desse tipo de obra, a leitura vale a pena.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading Atlas Shrugged at Superfície Reflexiva.

meta