Agruras de “empresário”

February 18th, 2007 § 4 comments

Enquanto (quase) todo mundo está folgando no Carnaval, os “empresários”–popularmente conhecidos como autônomos sem dinheiro–como eu estão correndo para longe do prejuízo tentando terminar projetos.

Eu me consolo apenas com o fato de que não preciso bater ponto mais.

§ 4 Responses to Agruras de “empresário”"

  • tô no mesmo barco, e t6o mil vezes mais feliz.

    pelos menos agora se eu trabalho 240 horas extras o resultados cai diretamente na minha conta bancária, não na do dono da empresa que eu bato ponto.

  • Luiz Rocha says:

    Nem me fale. Antes de vender a alma, eu tentei prosperar como “empresário”, mas acho que a falta de experiência e o excesso de sonhadorismo atrapalharam bastante.

    Os poucos que sabem disso perguntam se eu voltaria a ser “empresário”. Respondo que a pergunta certa não é se e sim quando.

  • Ronaldo says:

    Fábio, com certeza! Ainda mais depois que os sindicatos inventaram o tal do banco de horas, onde você rala, rala e teoricamente tem descontos em dias não-trabalhados que nunca vem porque existem sistemas em produção e você não pode sair de perto ou os mesmos caem. :-)

    Luiz, acho que não tem como evitar um pouco desse sonhadorismo e falta de experiência. São até naturais, na verdade. O que atrabalha bastante–e falo de experiência própria–é a falta de organização. Você sabe que tem que se organizar, mas deixa sempre para depois. E as coisas acumulam e lhe pegam de surpresa. Mas, para isso inventaram o GTD. :-)

  • Marcelo says:

    Como diria Aristóteles: ” A virtude está no meio”. Ainda acredito mesclar realização pessoal e trabalho. Vamos continuar tentando…

    Abs,
    Marcelo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading Agruras de “empresário” at Superfície Reflexiva.

meta