Star Trek: The Next Generation

March 28th, 2007 § 12 comments

Esses dias, terminei de ver os 178 episódios da série Star Trek: The Next Generation. Ver todos episódios ao longo de uns poucos meses foi algo bem interessante porque me permitiu notar de uma maneira mais fácil a evolução da série e compará-la com outras de ficção científica, recentes ou não, que eu estava assistindo na época.

The Next Generation foi um série que evoluiu bastante. Começando como uma nova tentativa de fazer a sua versão clássica funcionar novamente–indo ao ponto de incluir as roupas curtas para tentar cativar a audiência notoriamente masculina–terminou com uma série que abriu o caminho para dezenas de outras similares.

De uma maneira geral, eu acho que The Next Generation agüenta relativamente bem o teste do tempo, como uma série de ficção científica. É claro que muito dos temas que foram tratados na época teriam um enfoque completamente diferente atualmente mesmo que esse novo enfoque fosse dado apenas pela mera passagem do tempo. Alguns de seus temas, como o direito de auto-determinação, permanecem perenamente atuais.

The Next Generation foi uma série limitada pelo seu tempo–algo que transparece principalmente em seu formato episódico fechado, sempre retornando ao status quo ante ao final de cada episódio–e ainda assim, uma série idealista, com uma visão bem otimista do futuro que servia como um contraponto ao clima político de então. Os anos seguintes à Guerra Fria, por exemplo, viram o surgimento de vários conflitos similares no universo da série que culminariam em explorações de suas conseqüências em outras séries.

O último ano da série, já afetado pelo sucesso de Star Trek: Deep Space Nine, adquiriu um tom mais frenético, como se os produtores e escritores quisessem mostrar tudo o que não tinham mostrado anteriormente, inclusive algo que havia sido uma crítica perene à série: a ausência de conflitos entre os personagens principais. Apesar disso, o ano final não foi suficiente para gerar o tipo de conflito que se esperaria de uma série já com sete anos de produção.

Esse talvez tenha sido o maior pecado da série: uma certa frieza inconsciente. Personagens perfeitos, com a irônica exceção de Data, que era uma máquina; um capitão estado-da-arte, incapaz de salvar uma civilização por medo de violar uma diretriz; conflitos externos para não remover a aura de que a humanidade tinha abdicado de suas piores emoções: tudo isso contribuiu para não deixar que a série transcendesse suas origens.

Mesmo com essa percepção, eu sei que eventualmente vou rever a série. Eu sempre tive um fraco pelo otimismo abundante do universo da série e se ela falha por limitações do formato isso impede minha apreciação. Ao contrário, as falhas realçam os sucessos. Como na primeira série, o sense of wonder permanece um fator que o tempo não vai dissipar.

§ 12 Responses to Star Trek: The Next Generation"

  • Luiz Rocha says:

    Sempre gostei da Nova Geração e sou homem o suficiente para admitir que curto os filmes também (inclusive o Insurreição :-o).

    Acho Nemesis um filmaço, inclusive.

    Essa questão dos conflitos entre a tripulação me pareceu que seria melhor abordada na série Enterprise (não assisti a Voyager nem a DS9 para saber), mas todo mundo sabe no que deu Enterprise…

  • Ronaldo says:

    Eu também gosto muito de todos os filmes da Nova Geração e já perdi as contas de quantas vezes já vi cada um. De todos, prefiro o First Contact. Insurreição é um barato e o tom nostálgico de Nêmesis sempre me agradou.

    Também não vi pouco mais do que alguns episódios das outras séries, com exceção de Enterprise, que adorei. No final do quarto ano, prometia ser a melhor de todas e aí veio a bomba. Espero só que o filme consiga ressucitar o universo.

  • Luiz Rocha says:

    Achei que a 3a temporada de Enterprise seria divertida, mas enfim… Acho que eles estavam pegando “a mão” para a série na 2a, com episódios explorando mais o fato de ser a primeira expedição da terra no espaço, os conflitos com o desconhecido e etc.

    Enfim, fiquei tão chateado que talvez eu nem vá assistir o filme na primeira semana. 😉

  • Ronaldo says:

    Achei que a terceira temporada teve alguns episódios bons (Twilight é um dos meus favoritos na série inteira), mas a estória com os Xindi deixou muito a desejar. Ficou parecendo essas quests em RPGs onde os personagens colecionam plot points para terminar a estória. Mas passou, pelo menos.

    A quarta temporada foi muito bom, explicando um bocado da estória por trás da fundação da Federação. Os episódios do Universo Espelho também foram excelentes e a série parecia ter acertado a mão. Mas acho que há muito saudosismo e a série acabou afundando.

    Quanto ao filme, ruim ou não, se sair eu estou na primeira sessão. :-)

  • Walter Cruz says:

    Lendo seus constantes posts sobre todos as versões de Star Trek, vim aqui dar um alô :)

    Eu conheço só a série clássica – cresci assistindo ela. Aliás, quando estou só em casa, ainda assisto (é o que dá só ter TV aberta).

    Lembro-me de ter assistido um ou dois episódios da nova geração, e acho que só.

    Os livros são bons?

  • Ronaldo says:

    Opa, Walter! Tudo bom?

    A série clássica ainda passa na TV aberta!? Caramba…

    Se você gosta de Star Trek, acho que não devia perder o resto. Os boxes estão comparativamente baratos nas lojas. :-) Se você gosta da clássica, provavelmente vai gostar de Enterprise (ou detestar!).

    Os livros são bem razoáveis. Como eu disse naquela outra entrada, excelentes para desopilar mas não espere nada clássico. 😉

  • Walter Cruz says:

    Passa sim, na PlayTV, ex Canal 21 (no qual passava antigamente, durante as ‘pausas’ da programação mal-calculada alguns clipes. Dentre eles, 2 clipes franceses que eu não consigo achar nem referência, nem letra nem nada. Devia existir um serviço de busca onde a pessoa digitasse a cifra e aparecesse músicas parecidas. Seria útil somente a músicos :) ).

    Reminiscências musicais a parte, se eu vir alguma coisa nova disso te dou um alô por aqui!

  • Luiz Rocha says:

    Não cheguei a assistir a 4a temporada. Estava traumatizado demais. Aliás, Enterprise e Futurama foram os traumas responsáveis pelo meu abandono definitivo da TV.

    A primeira por ter partido o meu coração e a segunda por ter sido cancelada, provando que não há vida inteligente na TV.

    Talvez, TALVEZ, eu baixe alguns episódios de Enterprise, algum dia desses, quem sabe.

  • Ronaldo says:

    Bem, eu vou insistir um pouco mais porque a quarta temporada realmente mostrou para onde a série estava indo: arcos mais longos, estórias mais fechadinhas. Talvez você deva assistir só do terceiro episódio ao penúltimo, já que os dois primeiros são ainda relacionados à terceira e o último é o idiota para cancelamento.

  • Luiz Rocha says:

    Pois é, vc me convenceu. Eu vou baixar a 4a temporada (se bobear, a 3a também) e assistir. Quem sabe eu não recupero a minha fé na tripulação do capitão Archer.

    E relaxa, pq eu sei que o último episódio é uma bomba total. Isso eu já sabia. :-)

  • Luciano says:

    Saudações.
    Eu já assisti as 05 primeiras temporadas da Nova Geração mas não estou encontrando mais os links para dowload das temporadas 6 e 7. Alguém poderia me ajudar e me enviar os links?
    Obrigado
    Luciano
    Porto Alegre
    Brasil

  • Luciano says:

    Meu e-mail para envio é lucianoborges-tst@hotmail.com
    Obrigado mais uma vez.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading Star Trek: The Next Generation at Superfície Reflexiva.

meta