Alguns conselhos práticos sobre diversificação

January 5th, 2008 § 5 comments

Esses dias, ouvi alguém perguntar em uma palestra que essa pessoa estava ministrando: “Vale a pena apostar todas as minhas fichas do Rails?” A resposta foi: “Vale”. Entretanto, a resposta correta para essa pergunta é: “De jeito nenhum”. Nunca vale a pena apostar todas as suas fichas em um determinada tecnologia.

Se há algo que a enorme lista de reclamações de Zed Shaw–que nesse momento já percolou por toda a comunidade Ruby–prova, é isso: não vale a pena colocar todos os seus ovos em uma só cesta (para usar o antigo provérbio). Diferenças pessoais à parte, achar que uma única tecnologia é a resposta para toda sua carreira é no mínimo insano.

Tecnologia, nunca é demais dizer, é algo volátil. O que hoje é considerado o estado-da-arte vai ser a tecnologia repudiada do dia seguinte. Isso é necessário para a evolução do campo, é claro, mas uma enorme quantidade de desenvolvedores parece considerar que excelência em uma única tecnologia é garantia de uma carreira bem sucedida. Pode até acontecer, mas confiar nisso, mais uma vez, é uma receita certa para o desastre em quase todas situações.

Isso não quer dizer que você não tenha que se tornar bom naquilo que está fazendo. Não é, tampouco, tentar ser um jack of all trades, master of none–embora realmente seja melhor ser um desses do que mestre de somente uma única coisa. Antes, significa estar ligado em campos o suficiente para pode ser movimentar com tranqüilidade por situações diversas.

Se você pode trabalhar com sua tecnologia de escolha no dia-a-dia, ótimo. Só não se esqueça que isso é, na melhor da hipóteses, uma situação temporária. Ser aberto e ser pragmático sem perder de vista aquilo que você gosta de fazer é o balanço ideal.

Uma coisa que eu ouço muita gente dizer é que conhece os méritos das contrapartes tecnológicas do que estão fazendo ou usando mas, na prática, não dão a menor atenção a realmente trabalhar com essas outras tecnologias, mesmo que em uma base experimental. Isso não ajuda em absolutamente nada. Se você só lê sobre algo, você está se enganando. Eu repito mais uma vez: diversificação prática é absolutamente necessária, mesmo que na forma de experimentos pequenos.

Assim, para terminar alguns conselhos práticos para conseguir diversificar suas escolhas tecnológicas:

  • Faça um plano de aquisição de linguagens de programação. Invista um ano em cada uma delas e alterne no mínimo, os dois principais paradigmas: funcional e imperativo. Uma boa maneira é se forçar a escrever os utilitários que você precisa em uma nova linguagem ao longo do ano.
  • Se você trabalha com framework, qualquer que seja, escolha um framework oposto–em termos de linguagem ou filosofia de implementação–e comece a experimentar com o mesmo, produzindo algo que você pode usar no dia-a-dia para realmente valer o esforço.
  • Procure se relacionar com pessoas em campos além do seu trabalho imediato. Mesmo uma participação em uma lista de discussão–com contribuições reais e não somente leitura–é suficiente para quebrar o círculo em torno de uma única tecnologia.
  • Escolha uma tecnologia que você considera acima do seu patamar atual. Leia e implemente o suficiente para chegar a um entendimento funcional da mesma.
  • Leia não só em sua área, mas também fora dela. Isso vale tanto para livros técnicos como para outros tipos de livro. Se você se fixar somente em livros técnicos, uma parte do seu processo de aprendizado será perdida.

São conselhos simples e óbvios mas vale a pena se lembrar dos mesmos de quando em quando. A opção contrária é afundar em um poço de piche.

§ 5 Responses to Alguns conselhos práticos sobre diversificação"

  • […] Ferraz – Alguns conselhos práticos sobre diversificação: Eu repito mais uma vez: diversificação prática é absolutamente necessária, mesmo que na forma […]

  • Luiz Rocha says:

    Acho que não tenho muito a acrescentar ao que você disse, não.

    Eu entendo a necessidade prática e mercadológica de se especializar e coisa e tal. Mas enquanto os profissionais do mundo de tecnologia não compreenderem que tecnologia — seja uma linguagem, um software ou um aparelho — é sempre a implementação de um conjunto de conceitos e que os conceitos que são o que realmente importa, esse tipo de coisa vai continuar se repetindo.

    É a velha anedota da faculdade que ensina apenas Java e não ciência da computação, por exemplo.

  • Ronaldo says:

    Sim, e principalmente em relação ao que generalizar e especializar. Eu estou lendo The World is Flat, do Friedman, e ele menciona isso com um dos principais problemas hoje: você quer ser especial, ou especialista ou adaptável. Ser especial e especialista–em um sentido de especialista para o mundo todo–é algo para pouco, logo, adaptabilidade é melhor.

  • Diogenes says:

    Post apropriadissimo para o momento, Ronaldo!
    Ainda mais com esse murmurinho na comunidade Ruby com o post do Shaw, e com o ibope, ou melhor, _hype_ que Rails tem atingido na comunidade Brasileira.

    Sabe, atualmente carrego uma pequena esperanca de que iniciativas como as do Dojo-BH conseguirao disseminar um pouco desse espirito de diversificacao entre a comunidade. Mas, sem duvida, eh algo que depende mto mais do esforco de cada um de nohs, como profissionais e constantes aprendizes!
    Sem duvida, seriamos melhores programadores e formadores-de-opiniao se todos levassemos em conta tais conselhos!

  • Ronaldo says:

    Eu também tenha a esperança de que as pessoas consigam ver além da tecnologia do momento e se preparem melhor para as mudanças. Eu vejo muita gente escrevendo e programando como se a tecnologia que usam fosse durar 100 anos e ao mesmo tempo citando com a mesma é melhor que tal linguagem que está em decandência. Com as duas atitudes são possíveis, eu não entendo.

    Eu acredito que o mercado será, sim, tolerante de mais linguagens e isso dará uma vida maior a vários que não seria consideradas mas não dá para esquecer que sempre há uma evolução que torna basicamente tudo obsoleto.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading Alguns conselhos práticos sobre diversificação at Superfície Reflexiva.

meta