Kenna

January 19th, 2008 § 0 comments

A leitura de Blink acabou rendendo uma outra pequena surpresa. Um dos exemplos citados por Malcolm Gladwell é o músico Kenna que, segundo o autor, é um artista excepcional mas cujo talento vai contra o que o mercado espera embora entendidos consigam perceber de imediato o seu potencial.

Resolvi ouvir alguma coisa de Kenna e gostei tremendamente. Gladwell não estava enganado ao dizer que a música de Kenna é virtualmente inclassificável e que é uma mistura muito poderosa de vários estilos. As combinações são muito bem pensadas e se mesclam casualmente de uma forma que é bem satisfatória.

As músicas que eu estou ouvindo são do segundo álbum, Make Sure They See My Face e a variação é espantosa.

A primeira música, por exemplo, se chama Daylight e abre com um trecho bem New Age que logo evolui para uma mistura de eletrônica e soul que mais tarde vai se transformar em um rock operático.

Be Still, por outro lado, é bem soft com as características melódicos de um rock mais tradicional e algumas pontas de um synth pop bem leve.

As demais músicas apresentam composições similares que incluem hip hop, house and uma série de outras influências muito bem trabalhadas. A influência de U2 está bem visível em <Sun Red, Sky Blue e isso dá um toque adicional à música que eu gostei bastante.

No geral, uma adição muito boa ao meu conjunto de artistas interessantes. Vale a pena dar uma explorada se você gosta dessas misturas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading Kenna at Superfície Reflexiva.

meta