Contradições

February 12th, 2008 § 6 comments

Do I contradict myself?
Very well then I contradict myself,
(I am large, I contain multitudes.)

Song of Myself, by Walt Whitman

Eu sempre gostei desse trecho do poema de Walt Whitman porque ele espelha basicamente o modo como eu me vejo em relação às minhas opiniões. E isso é provavelmente a maior causa de irritação entre os que me conhecem bem, embora com o tempo a maioria tenha aprendido a me tolerar.

Não me entenda mal. Eu tenho opiniões fortes. Ser cristão, por exemplo, para mim implica em ter pensando longa e profundamente sobre vários assuntos teológicos e ter tomado determinadas decisões sobre os mesmos. Meu pastor já se conformou com minha opiniões geralmente distantes do usual há um bom tempo.

Mas, com os anos, eu tenho chegado a conclusão de que o papel de advogado do diabo me cai bem. Há uma certa vantagem em ser capaz de mudar imediatamente de lado para defender um outro argumento mesmo que você não concorde em absoluto com o mesmo. Além de ser uma boa forma de desarmar opiniões absurdas sobre determinados assuntos, é também uma maneira de ver o que pode estar errado com o seu argumento.

Eu já surpreendi muita gente ao defender o código aberto para, ao ouvir uma opinião infundada sobre o código fechado, transformar-me imediatamente em um opositor do código livre até que o argumento fosse eliminado ou completado.

Na vida profissional, eu tenho usado isso com vantagem em reuniões com cliente. Às vezes, para mostrar o cliente que o tipo de mudança que ele deseja não é o ideal. Outras vezes, para tentar entender se a minha resistência à mudança é o problema. A lâmina corta para os dois lados e isso é muito bom.

Eu acho que esse tipo de treinamento em contradições é uma experiência valiosa em qualquer área da vida. Em última instância, uma pessoa realmente deve ter opiniões firmes e baseadas em argumentos sólidos. Mas saber modificar a sua posição é a maneira mais fácil de validar essas opiniões e garantir que você não cai nas armadilhas e falácias de argumentos não muito bem pensados. Eu recomendo.

§ 6 Responses to Contradições"

  • Eu também sou assim e acho muito bom não ser radical, mas sempre analisar os lados.

    Como tu falaste de software livre, ao mesmo tempo que é algo extraordinário, tem algumas picuinhas que eu não consigo aceitar.

    Mas, como vocês dizem volta e meia no podcast, é sempre bom ter um Stallman da vida… 😀

  • Ronaldo says:

    O Stallman é realmente um maluco necessário. Exagera muito mas a força do argumento é válida. Eu confesso que ultimamente estou me desviando de qualquer rixa. O problema é resistir quando falam besteira. :-)

  • Às vezes eu acho que me comporto um pouco como você descreve.

    Ser xiita, em geral, só causa problema. Flexibilidade é importante, ainda mais num mercado onde tudo muda tão rapidadamente.

  • Ronaldo says:

    Pois é. Eu estive até pensando em meu posicionamento meio fora do Rails esse ano. Não tinha percebido, mas ao escrever o texto caiu a ficha que era o meu mecanismo natural anti-zelotes entrando em ação. Minha consciência agradece. :-)

  • Isso é tão difícil… Lidar com a gente mesmo é mais difícil que lidar com os outros.
    Como dizem por aí:
    “A mudança vem de dentro.”
    Porém, não é tão fácil quanto parece.

  • Ronaldo says:

    Nesse caso, eu acho que prefiro manter as minhas contradições. Ajudam de quando em quando. :-)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading Contradições at Superfície Reflexiva.

meta