Lamuriento dia

March 3rd, 2008 § 4 comments

Ah! Lamuriento dia, dia quente,
dia sovino, que custa a passar.
Dia que tenta extrair da alma
o sumo, a seiva, o espírito.

Ah! Lamuriento dia, dia de sol,
luz forte, doendo no olho, esgotando
a fonte, a mente, a força.

Ah! Lamuriento dia,
mormacento, que passe e
volte jamais.

§ 4 Responses to Lamuriento dia"

  • Muito bom!
    Queria ser bom pra fazer poesias (poemas) – nunca diferencio um do outro – , porém não sou pra isso. :(
    Quanto tempo não posto um comment aqui né?!
    Muito legal mesmo a (o) poesia (poema)!
    E com certeza:
    “(…)que passe e
    volte jamais.”

    😀

  • Ronaldo says:

    Bem, segundo o dicionário pelo menos, poema é o objeto e poesia é o ato. Mas há outros significados que diluem um pouca da distinção.

    De qualquer forma, muito obrigado. De quando eu quando eu fico doido e arrisco alguma coisa aqui. Pelo menos as respostas sempre foram positivas, mas eu sei que eu sou mero diletante sem talento. :-)

  • fvaz says:

    o mormaçento, assim com Ç, entortou a parte gramática do meu cerebelo

    ainda assim não deixa de dar um mais um outro sentido ao verso, e portanto tá valendo

  • Ronaldo says:

    Opa, valeu pela correção. Meu português é geralmente melhor do que isso, mas eu não sou perfeito. :-)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading Lamuriento dia at Superfície Reflexiva.

meta