O não-bug do inferno

March 27th, 2008 § 0 comments

Há momentos em que eu penso que programação deve ser a profissão com o maior índice de episódios de dissonância cognitiva por dia de trabalho. Só as classes de bugs e suas condições estranhas de existência já mostram esse tipo de paranóia relacionada a problemas inusitados.

De quando é quando é divertido, e de quando em quando você morre de ódio. Como quando você descobre que o bug é na verdade uma feature mencionada muito de passagem na documentação e sem a menor explicação porque é assim.

Tagged

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading O não-bug do inferno at Superfície Reflexiva.

meta