Qual é a cauda longa de aplicações?

May 2nd, 2008 § 5 comments

Depois de ler The Long Tail fiquei pensando sobre as aplicações do assunto para o desenvolvimento de software. Não em termos de produtos que podem ser entregues, mas dentro da própria aplicação, em uma curva de distribuição de uso.

Uma coisa é você ter itens que podem ser comercializados, outra coisa é você ter características que podem ser usadas e que possuem um determinado valor para o usuário final. Eu não tenho certeza plena–não cheguei a uma conclusão final sobre o assunto–mas acho que existe também uma cauda longa para características em um software qualquer que podem ser exploradas indiretamente.

Existe muito escrito sobre aplicações de regras 80/20 (ou X/Y para valores quaisquer) em relação à funcionalidade que se deseja criar para um aplicação, mas ainda não encontrei nada sobre customização. E talvez essa seja a cauda longa de aplicações: não o que está e não está, mas o que o usuário pode construir com as peças básicas que lhe forem fornecidas.E isso não é somente flexiblização, mas a habilidade real de montar novas interfaces/fluxos sobre o que existe e criar seus próprios recursos.

Não é algo que toda aplicação precisa, mas é algo que certamente tem um potencial incrível em ferramentas que dependem de uma agregação diversificada.

Bem, preciso pensar mais sobre o assunto. :) E vocês, o que acham?

Tagged

§ 5 Responses to Qual é a cauda longa de aplicações?"

  • Eu conheço muito pouco sobre o assunto, e pra ser sincero nunca pensei no conceito de cauda longa aplicado a software :P. Mas pensando um pouco melhor eu acho que existe a possibilidade de aplicação para software sim. Acredito que isso não é uma “caracteristica” trivial de ser implementada. Inclusive depois de ler o POST eu fiquei pensando se existiria alguma aplicação que hoje pudesse ter como você falou: “flexibilização com habilidade real de montar novas interfaces/fluxos”. Eu não sei se você concorda, mais a única coisa que veio na minha cabeça foi o Engenho de Pesquisa do Google, todas as demais aplicações que trabalhei tinha possibilidades não tão flexível :P.

    []’s

    João

  • Ronaldo says:

    Exatamente. Flexibilização provavelmente será um dos grandes desafios a serem resolvidos para uma geração inteiramente nova de software. Concordo que hoje não há virtualmente nada em flexibilização, exceto por uns poucos aplicativos que permitem agregação/composição, que é o equivalente em seus domínios de problema. Sobre o Google, sim, dentro do seu domínio também.

  • Cleydson says:

    Só pra registrar… Dentro de seu domínio tb o Yahoo Pipes(http://pipes.yahoo.com/pipes/). Diga-se de passagem tem uma interface bem legal.
    []s
    Cleydson

  • João Paulo Lins says:

    Fiquei meio curioso e acabei comprando o livro na Livraria Cultura. Achei ele em Inglês pela bagatela de R$ 27,00 enquanto que o traduzido tá por R$ 60,00. 😛
    Grande Abraço!

  • Ronaldo says:

    Já começou a ler? Eu, como mencionei, gostei muito. Dá para viajar um bocado nas coisas além do livro.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading Qual é a cauda longa de aplicações? at Superfície Reflexiva.

meta