Conectando catástrofes econômicas

September 28th, 2008 § 0 comments

No começo do mês, eu li Linked, que é uma narrativa da história do estudo de redes e seu impacto sobre os vários campos de conhecimento humano.

Uma das partes mais interessantes do livro é a discussão sobre a fragilidade inerente de redes. Essencialmente, a mesma coisa que as torna fortes as torna vulneráveis a certos tipos de situações e ataques. Um dos vários exemplos citados dessa particularidade é o sistema monetário, com sua propensão a falha (semi-)catastróficas que começam com pequenos eventos.

Lendo sobre a crise financeira americana, seu histórico, e os passos que estão sendo tomados para tentar resolvê-la, é impossível não lembrar dos exemplos de Barabási no livro. O que realmente dá medo é perceber que quando Barabási escreveu o livro, ele estava olhando para trás e vendo crises bem menores em um mercado que possuía um pouco menos de dependências do que o mercado atual. Cinco anos mais de política econômica progressivamente suicida de um governo anêmico só serviram para reforçar o que já estava acontecendo e tornar a situação ainda mais volátil.

O impressionante é perceber que nenhum tipo de conversa pública que se tem sobre o assunto leva em conta esses novos aspectos que estão sendo relevados sobre teorias mais modernas. É impressionante perceber a falta de atenção que os poderes que são possuem no quesito de se manterem coerentes com os avanços tecnológicos que afetam o social. Conversamente, nesse aspecto, redes alternativas podem oferecer soluções interessantes para o problema. O problema todo vai ser passar pelo problema e sair ileso do outro lado.

Tagged

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading Conectando catástrofes econômicas at Superfície Reflexiva.

meta