Balanço cultural de junho

July 30th, 2009 § 0 comments

Julho está quase terminando e somente agora consegui escrever o balanço cultural de junho. Este ano está se provando bem fraco em tempo para leitura, infelizmente. O resultado do mês ficou no seguinte:

  • 4 livros
  • 2 filmes

Nos livros, comecei o mês com os dois primeiros livros da série A Time Odissey, escritas conjuntamente por Stephen Baxter e Arthur C. Clarke. Os livros começam com a Terra sendo fraturada em dezenas de zonas temporais espalhadas por milhões de anos desde o surgimentos dos primeiros primatas inteligentes até um evento específico no ano de 2027. Grupos distintos de sobreviventes do evento (entre os quais se incluem partes dos exércitos de Genghis Khan e Alexandre, o Grande e soldados da ONU) se juntam para procurar explicações e se vêem às voltas com um conflito que abrange todo o Universo conhecido e que está acontecendo já há bilhões de anos.

Embora a premissa seja interessante, os livros não se sustentam. Há um terceiro livro que aparentemente conclui a série (os dois primeiros livros são bem independentes, entretanto) mas duvido que eu me anime a lê-lo. Não é a primeira vez que eu fico desapontado com a narrativa de Baxter que sempre promete mais do que entrega. Embora os temas sempre seja enormes (em alguns de seus livros ele trata sobre alguns dos maiores mistérios cosmológicos como o Grande Atrator e o próprio fim do Universo), as idéias acabam sempre servindo somente de fundo para algo bem insosso e mal concluído. Ao contrário de Iain M. Banks, por exemplo, que consegue tratar civilizações galácticas de maneiras extremamente interessante e localizada, Baxter consegue colocar os temas mas raramente consegue dar um bom destino ao mesmos. Não recomendo muito.

O terceiro livro que li no mês foi Brain Rules, por John Medina. Medina é um pesquisador e consultor em biologia molecular e nesse livro ele apresenta 12 regras sobre o cérebro que explicam como o mesmo funciona e como aproveitar melhor a capacidade inata que cada um possui. Não é, de longe, um livro de auto-ajuda ou um desses livros com conselhos mirabolantes mas uma apresentação dos mistérios e pesquisa mais recente sobre esse que é o mais interessante e desconhecido órgão do corpo humano. Algumas das regras são bem óbvias–por exemplo, a regra sobre a relação entre o cérebro e descanso–mas algumas provêem insights interessantes sobre como tratar o cérebro de maneira melhor. Leitura light e recomendada.

Para fechar o mês, li Six Degrees, por Duncan J. Watts. O livro é muito interessante e me serviu como um bom complemento a Linked do Albert-László Barabási. Enquanto este último se foca mais em redes de livre escala e uma visão mais alta da história sobre a pesquisa de redes, o primeiro é uma visão mais profunda do campo como um todo e com bem mais detalhes não só sobre outro tipo famoso de redes–small-world networks–mas dos vários tipos de redes e tópicos que têm interessado os pesquisadores atualmente. Para quem se interessa pelo assunto e por detalhes sobre como pessoas, infecções, epidemias, empresas, colapsos econômicos e dezenas de outros sistemas estão conectados dentro da teoria de redes, vale a leitura.

Nos filmes, vi Terminator Salvation, o quarto filme da conhecida franquia. O filme mal se sustenta como estória e é bem inferior até mesmo ao terceiro, o mais fraco até então. Nem a famosa cena de CGI com um modelo virtual do Arnold Schwarzenegger anima o filme, embora seja divertida. O problema maior é que o filme força o espectador a aceitar que John Connor é um idiota iluminado que pode fazer qualquer coisa e agüenta qualquer coisa também. O final é um desperdício de tempo e ridiculamente anti-ético. Só se salva mesmo Sam Worthington, que faz o interessante Marcus Wright.

Para fechar o mês, vi Knowing com Nicolas Cage e Rose Byrne. Alex Proyas é um diretor muito bom e seu Dark City é um dos melhores filmes de SF já feitos. Mas depois de Eu, Robô, ele caiu no meu conceito e esse novo filme é bem meia-boca também. O final até compensou o tempo de filme, mas a estória em geral é bem fraca. Não muito recomendado também.

E foi isso em junho. No próximo mês, poucas leituras também. :(

Tagged

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading Balanço cultural de junho at Superfície Reflexiva.

meta