Windows (many lives)

June 7th, 2012 § 4 comments

Eu sempre tive essa fascinação com prédios velhos, cujas cores apagadas pelo tempo e descaso escondem histórias. No cair da noite, quando o mundo parece desbotado por um breve período de tempo, quando a própria realidade oscila entre o possível e o estático, esses velhos edíficios parecem conter todas as verdades.

Eu passo e olho para um casal já no fim da meia-idade, falando baixo enquanto cumprimentam o porteiro, subindo os degraus rumo ao saguão e aos elevadores. Naquele breve momento, eu queria ser o mundo, escutar todas as pequenas histórias, todas as conquistas insignificantes, todas as derrotas que só fazem sentido para duas pessoas—todos esses pedaços desgarrados de incontáveis instantes.

Ah, eu sei. Entenda, eu tenho inveja da onisciência divina. Eu me sento aqui e olho para o mundo e eu não queria somente viver a minha própria vida. Eu não queria somente experimentar a minha própria dor porque, sabendo somente dela, não sou capaz de entendê-la.

O que dizem os oráculos? Eu não sei, mas cada janela é um derramar de narrativas, todas com seus próprios significados, uma tessitura impenetrável da qual somos capazes de ver somente uma ou outra linha quando ela nos toca depois de incontáveis batidas das asas de uma borboleta.

Eu queria ser o mundo.

§ 4 Responses to Windows (many lives)"

  • Sérgio Lima says:

    Quem é vivo sempre nos brinda com um texto inspirador :-)

  • Ronaldo says:

    Como sempre, obrigado! Eu vivo tentando ressuscitar o blog, mas para você ver como ele está abandonado, só vi seu comentário hoje :)

  • Everton J. Carpes says:

    Quem sabe tu nao eh de fato o mundo que cansou um pouco do egoismo da solidao e resolveu compartilhar um pouquinho do seu ponto de vista? Quem sabe essa tua vontade nao seja nostalgia, lembranca da ehpoca que tu era tudo isso? Ou quem sabe o mundo te colocou aqui pra tu compartilhar um pouco das angustias dele, da sede dele de ter a tudo e a todos ao mesmo tempo? Talvez ainda, sejas de fato o mundo que personificou-se em tao agradavel escritor soh pra merecer elogios a cada post escrito?!

    Nao sei qual eh a resposta, qual a verdade, mas certo que deve haver algum motivo especial pro mundo ter nos brindado com alguem tao sensivel que nos presenteia sempre com palavras tao agradaveis e que nos acrescentam sempre, algo tao raro!

  • Ronaldo says:

    Demorou demais para que eu lesse esse comentário, mas valeu demais, mano! Depois desse, você se saiu melhor escritor do que eu.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

What's this?

You are currently reading Windows (many lives) at Superfície Reflexiva.

meta