Sem dinheiro para o resto da cauda longa

November 28th, 2007 § 2 comments § permalink

Os blogueiros correndo atrás da monetização podem tirar o seu cavalinho da chuva. Pelo menos é o que diz um interessante artigo publicado do Read/Write Web. Aliás, se você ainda não assinou o Read/Write Web, assine agora.

Voltando ao artigo, o argumento básico é que a cauda longa dá dinheiro se você puder investir nela mas não se você estiver nela. Em outras palavras, a Amazon ganha dinheiro explorando a cauda longa e o Google também, mas a exploração é sobre você, usuário final dos serviços dos mesmos. É claro que o argumento faz o maior sentido e é também claro que a maioria dos monetizadores nem pensa nisso quando investe um esforço considerável em estratégias cujo porte nunca alcançará um nível suficiente de retorno.

O mesmo vale para investimentos. Se você está pensando em um serviço novo, pense no lado oposto. Oferecer ferramentas individualizadas não funciona. Você precisa partir do geral para o particular nesse caso e explorar o efeito da massa. Embora quem entendeu a cauda longa já está fazendo isso e sabe que está. :-)

De qualquer forma, o artigo apresenta vários pontos em torno do argumento que merecem uma leitura e os comentários também apresentam alguns outros pontos interessantes. Dê uma conferida.

Pirates of Silicon Valley

November 26th, 2007 § 7 comments § permalink

Passei na locadora ontem para ver se havia algo novo e acabei descobrindo que Pirates of Silicon Valley tinha saído em DVD. Eu já conhecia o filme há anos, mas nunca tivera oportunidade de vê-lo anteriormente.

O filme, como a maioria deve saber, narra parte da história do crescimento da Apple e da Microsoft, culminando com a demissão de Steve Jobs e o nascimento do Windows em oposição ao Mac OS. O filme fecha com o anúncio da parceria entre Apple e Microsoft. Segundo o que eu li depois de ver o filme, os fatos mostrados são razoavelmente corretos tendo, na maior parte, acontecido do modo e ordem mostrada no filme.

A representação de Jobs e Gates pelos atores chega a ser amedrontadora, de tão parecidos que ficaram. Noah Wyle chegou a ser confundido com o Jobs em uma apresentação surpresa na Macworld Expo e vendo o filme, não dá para culpar a audiência. As personalidades são retratadas com um bom grau de fidelidade até em relação ao que se vê hoje, com o perfil carismático de Jobs em oposição à timidez mais geek de Gates. Steve Ballmer, que também aparece no filme, é virtualmente idêntico ao que ele mostra na maioria das suas apresentações públicas, com aquele seu perfil de negociante meio insano.

Apesar do fato que o filme pende um pouco para o lado da Apple, mostrando Jobs como intento em uma revolução cultural e Gates mais interessado em dominar o mercado, os dois lados de cada um são mostrados: Jobs como visionário, mas também como alguém cheio de problemas pessoais que afetavam sua atitude na empresa, finalmente levando a uma divisão profunda na Apple; Gates, como um homem de negócio sem piedade, mas com uma visão maior do mercado do que a de Jobs.

O mais interessante, claro, é comparar o filme, que já vai para sete anos, com a posição atual das empresas. Como o filme mostra, uma dos maiores componentes da disputa sempre foi cultural e isso permanece. Enquanto o Windows é algo de massa, a Apple sempre manteve uma distinção mais elitista. Hoje, com o Vista e o barateamento dos Macs, houve uma certa inversão nessa posição (ainda que indireta) mas o grande componente ainda permanece. A Apple está mais forte que nunca, mantendo essencialmente os mesmos valores mas reconhecendo que certas concessões devem ser feitas em uma era onde conteúdo importa mais do que qualquer outra coisa. E a Microsoft tenta hoje se posicionar como passando por uma renovação, procurando ter uma qualidade artística maior.

O fim da disputa ainda não está no horizonte, mas parece que a mesma está esquentando novamente. O resultado, ainda só o futuro é capaz de dizer.

Pão de Cast #5

November 24th, 2007 § 0 comments § permalink

Já está no ar o Pão de Cast #5 – Edição “1.21 gigawatts de geekness”. Se você gostou dos primeiros, acho que você também vai gostar desses. Os assuntos discutidos foram:

  • O lançamento do Kindle: evolução ao ameaça
  • A Web como plataforma: escalabilidade, vulnerabilidade e integração online/offline
  • Microsoft: na mira da UE pelo Silverlight
  • Adoção (ou não) do Windows Vista e conseqüências

E vários outros assuntos. Dê um conferida: é quase uma hora de pura conversa.

BlogCamp MG, resumo final

November 18th, 2007 § 6 comments § permalink

O segundo dia do BlogCamp BH, embora mais apressado e menos movimento, me deixou mais satisfeito. A quantidade de discussões foi menor, mas a qualidade certamente aumentou. Da mesma forma, deu para ver que o pessoal está ficando cansado de falar em monetização, principalmente aqueles não tão interessados em transformar o seu blog em uma ferramenta para ganhar dinheiro. O assunto ainda apareceu mas de forma bem mais moderada, não a insana sede por clicks apresentada por alguns blogueiros ontem.

Depois de algumas experiências com os “camps”, eu acho que há uma falta de balanço irônica nesses eventos. Enquanto há uma discussão imensa sobre os aspectos sociais, não há nenhuma discussão sobre aspectos tecnológicos. É claro que, e isso pelo menos na minha opinião, estes últimos servem os primeiros. Mas há uma espaço enorme para motivar mudanças em ferramentas e esse espaço não está sendo explorado. Provavelmente porque o evento é de um tipo que não atrai tanto as pessoas que poderiam eventualmente se interessar por assuntos assim.

A repetição de assuntos está ficando bem clara também. Há uma percepção de que o que se está fazendo é novo, inovador e, embora realmente haja muito disso acontecendo, não está no que se é discutido. O que se é realmente discutido me passar mais a impressão de choque futuro, uma tentativa de lidar com um passo crescente de mudanças em um universo relativamente estático de informações.

Apesar disso, o dia foi bom. Começando com a discussão sobre responsabilidade legal e passando pelas rodinhas mais individualizadas, os assuntos fluíram bem. Só tenho pena de não ter podido ficar para as discussões pós, nos bares. :-)

BlogCamp MG X

November 18th, 2007 § 1 comment § permalink

Todo mundo comeu tanto que pouca gente foi almoçar–a comida está farta mesmo–e o papo continuou em off. Começou com monetização e depois foi evoluindo para experiências do dia-a-dia.

É nesses momentos que o manifesto Cluetrain mostra a sua validade mesmo para os ditos grandes blogs: as pessoas se reconhecem como tal pelo som de duas vozes.

O interessante é que não importa o tamanho do blog, os mundinhos restritos de cada um são muito similares e acaba que cada um possui sua própria “blogosfera”. É claro que a A-list brasileira acaba puxando um pouco as estatísticas mas a experiência geral continua valendo.

Atualização: Esse fato de que não existe uma blogosfera mas várias é algo que geralmente passa despercebido do dia-a-dia, mas que é extremamente reforçado nesses eventos. Obviamente, toda comunidade procura se auto-reforçar e raramente percebe que existe uma verdadeira sala chinesa com entre essas múltiplas blogosferas com caminhos completamente diferentes acontecendo.

BlogCamp MG IX

November 18th, 2007 § 1 comment § permalink

Pausa para hora dos sorteios e almoço. Alguém está mencionando que o BlogCamp MG virou um bingo. :-)

O mais interessante de estar em um evento assim é o networking, é claro, seja profissional ou não. É muito curioso estar ao lado de alguém que você lê há anos, sem nunca ter conhecido e ver a pessoa preparando algo para postar no seu blog.

BlogCamp MG VIII

November 18th, 2007 § 1 comment § permalink

Assunto novo: direito de privacidade versus necessidade de prevenir crimes.

Aqui foge um pouco de blogs em si, mas sendo Internet há uma superposição óbvia (incluindo a falta de compreensão da Web por parte das organizações ditas tradicionais). Há uma necessidade clara de modernização em várias áreas. O âmbito jurídico dos blogs provavelmente hoje cai no sentido básico do trabalho particular escrito e há pouca flexibilidade nesse sentido.

BlogCamp MG VII

November 18th, 2007 § 0 comments § permalink

Discussão nova interessante: como lidar com informações incorretas em um blog que podem eventualmente resultado em uma necessidade de correção ou retratação? Em comparação com a mídia tradicional, onde existem certos mecanismos para a retratação, em blogs a situação é bem diferente.

Existe até uma razão técnica para isso que é a falta de controle da reprodução da informação. Em blogs, a situação acaba saindo do controle direto pela duplicação autorizada ou não através dos diversos mecanismos de agregação.

Além dessa razão, existe também a questão de que a forma de leitura de blogs (ou Web em geral) é completamente diferente da mídia comum. Enquanto os mecanismos tradicionais permanecem em termos de alcance, em um blog eles variam enormemente com o formato e tempo (anarquismo controlado).

Atualização: Não esquecendo que é necessário porque, de outro modo, seria irresponsabilidade.

Atualização: Pensando também na responsabilidade que existe não sobre os textos publicados, mas também sobre os eventuais comentários e referências ao texto original.

Atualização: O assunto evolui para uma possível necessidade de consultoria jurídica para blogs. Isso é muito importante atualmente (mesmo que não para a maioria dos blogs, longa cauda aqui) porque o impacto está aumentando. Vide o impacto que os blogs tiveram na queda de senadores americanos e seu impacto em movimentações políticas ao redor do mundo. Isso entra também na questão de copyrights (aliás, artigo excelente sobre essa última questão via Boing Boing).

Atualização: Interessante. Segundo comentários agora, um advogado está ganhando um caso representando um blog como mídia. É claro que isso pode ou não pegar, até por questões de jurisprudência. Comentário agora: no Brasil há uma necessidade de dezenas de casos para afirmar precendente e mesmo assim as instâncias inferiores podem diferir. Lu Monte está falando sobre súmula vinculante: uma nova resolução superior que consagra a jurisprudência.

BlogCamp MG VI

November 18th, 2007 § 3 comments § permalink

O segundo dia do BlogCamp MG começa com uma nota bem melhor. Cheguei relativamente cedo e várias discussões começaram espontaneamente em torno da mesa de café.

Uma delas começou com monetização, ironicamente, mas evolui bem rápido para outros assuntos passando pela necessidades dos blogs moleque–com vários exemplos interessantes de pessoas que estão em um misto de escrever por prazer e atender a uma necessidade pública. A discussão depois seguiu para a diferença entre blogs como formato e blogs como atividade, algo que para mim, é fundamental para compreensão de todo o movimento que vem acontecendo nessa área dos últimos anos.

Depois disso, conversou-se um pouco sobre a necessidade de uma evolução tecnológica nas ferramenta. Eu, que acho que precisamos de uma nova revolução nessa arena, me lembrei do trabalho de Ted Nelson que, infelizmente, nunca se concretizou.

Daí para a frente, como em um bom “camp”, a conversa se dividiu e está rolando em múltiplos pontos agora. Se continuar assim, o dia deve ser bem mais interessante.

O que continua a me espantar é como as pessoas esperam receber remuneração sem fazer o mínimo esforço para entrar ou criar um mercado necessário. Eu hesito em classificar esse tipo de atitude, mas não me parece, de forma alguma, um pretensão ideológica. E se não é ideológica, a única alternativa seria classificar com ingenuidade.

Aliás, o Sérgio postou uma crítica muito boa do processo de micro-blogging. Mais sobre isso assim que eu tiver algum tempo.

BlogCamp MG, resumo do primeiro dia

November 17th, 2007 § 2 comments § permalink

O primeiro dia do BlogCamp MG terminou com uma nota de insatisfação para mim. O assunto que eu mais temia, monetização, acabou dominando o primeiro dia sem trégua e o local não propiciou a facilidade de conversas que eu esperaria de um evento assim. Como só podíamos usar o auditório e o mesmo era pequeno para abrigar mais de uma conversa ao mesmo tempo, a desconferência acabou se tornando uma conferência com direito a palco, palestra e microfone. Sinceramente, palestra em um BarCamp/BlogCamp realmente não dá muito certo. Só funcionou nesse caso porque o assunto era, é claro, dinheiro.

O Bruno Torres pergunta com razão no Twitter: se o assunto de monetização é tão batido, por que sempre volta à tona. Eu acho que tem a ver com o “sonho” blogueiro de poder viver de uma coisa que não tem absolutamente a ver com o trabalho diário. Vendo sucessos espontâneos, as pessoas tendem a pensar que o mesmo pode acontecer com facilidade. O problema é que sucesso em blogs é como sucesso em qualquer outra empreitada; mas, por algum motivo, isso não parece entrar na cabeça da maioria dos blogueiros. O resultado são essas repetições exaustivas do assunto. Eu fico lembrando de um texto que vi sobre como fazer com que os textos em seu blog seja mais lidos e mais comentados. Os conselhos eram excelentes mas precisaram de um esforço na aplicação que a maioria das pessoas não está disposta a fazer. E sendo assim, falar é mais fácil.

Pelo menos duas coisas estavam muito boas: o networking (pessoalmente ou pelo backchannel) e a comida. O pessoal que ficou para os barzinhos depois provavelmente também vai aproveitar bastante. Infelizmente, não pude ficar mas amanhã estou de volta. Há pelo menos um grupo planejando alguns outros assuntos e vamos ver o que acontece–se for preciso, o jeito vai ser reunir no passeio da frente.

Where Am I?

You are currently browsing the Tecnologia category at Superfície Reflexiva.