A experiência NetMovies

September 24th, 2008 § 101 comments § permalink

Hoje congelei minha assinatura do NetMovies depois de quase três meses de uso. O serviço é tolerável, mas não estava valendo tanto a pena nem no modo mais básico.

No interesse da clareza, devo dizer que recebi um código de acesso para experimentar o serviço por dois meses gratuitamente como parte de uma iniciativa dirigida a blogueiros. Entretanto, por causa da minha mudança para São Paulo e subseqüente peregrinação pelo mundo dos flats até encontrar um local definitivo, acabei não usando o código. Portanto, paguei os três meses nos quais utilizei o serviço.

A NetMovies, salvo engano, é o único é um serviço brasileiro que aluga filmes por assinatura, permitindo que a pessoa faça a decisão de quando quer assistir o filme e quando quer devolver. Esse é um ponto extremamente positivo para o serviço, principalmente no mundo moderno das locadoras que dificilmente deixam que você fique com o mesmo filme por mais do que um ou dois dias–em alguns casos, não importando nem a quantidade de filmes que você leva. O serviço é modelado na NetFlix, obviamente, e chega perto do que o serviço americano fornece mas ainda falta muita coisa para chegar a um serviço completo.

Um segundo ponto positivo é a disponibilidade de títulos mais antigos, raros de se encontrar em locadoras de bairro. Isso, aliado a uma boa disponibilidade de séries de televisão, tornam o serviço bem atrativo a cinéfilos de carteirinha, que gostam de variar o que vêem.

Finalmente, um outro ponto positivo é a cobertura, que bate qualquer outro serviço parecido na área. Além de estar disponível em várias cidades, a cobertura dentro das próprias cidades é bem significativa.

Dito, isso, vários motivos me levaram a abandonar a NetMovies e voltar para a locadora do quarteirão ao lado.

O primeiro é que por sorte ou coincidência, eu sempre morei em locais onde a locadora era bem servida. Tanto em Belo Horizonte como aqui em São Paulo, a locadora mais perto de casa mantém um estoque consideravelmente maior do que as concorrentes, o que torna a decisão mais fácil. Apesar do que a NetMovies anuncia, o processo de selecionar e receber o próximo filme não é tão ágil quando parece. Como o próximo filme pode chegar em qualquer horário do dia e você precisa pedir a troca até quatro horas da tarde para que ele chegue no próximo dia disponível, o mais comum é que dois dias sejam perdidos mesmo se você viu o filme do mesmo dia.

Para dar um desconto, esse é um balanço delicado entre quem vê mais filmes e quem não precisa de tantos. Mas é algo que acaba frustrando quem acredita que o serviço pode realmente fornecer vinte dois filmes em um mês no plano básico. Pode até funcionar, mas isso geralmente implica pedir o próximo filme antes que você tenha visto o anterior.

O segundo ponto que me incomodou foi a falta de disponibilidade de filmes mais recentes. Qualquer filme lançado nos últimos três meses aparentemente possui tão poucas cópias que está sempre na espera longa. Eventualmente o filme aparece, mas demora tanto que a sensação de satisfação é diminuída consideravelmente.

Isso leva ao terceiro ponto que é a impossibilidade de visualizar a sua posição na fila de espera. O máximo que aparece é se a espera é curta, média ou longa. Os termos não são qualificados e é impossível saber quando você vai receber o filme. O ideal seria mostrar o seu posicionamento na fila e garantir que você nunca suba posições. Não sei como o algoritmo funciona–pode ser que isso já aconteça–mas a visualização seria fundamental para dar a sensação de avanço.

O quarto ponto foi a questão de mudanças abruptas nos filmes enviados. Algumas vezes, dois filmes com disponibilidade imediata estavam em uma certa ordem mas a mesma não foi cumprida. Isso entra no ponto anterior de falta de visualização adequada da fila: o provável é que para o primeiro filme eu estava em segundo lugar ou coisa assim e sem ver essa posição a impressão é que houve uma mudança.

Um quinto ponto é a inexistência de pró-rata na mudança de planos. Se você pede uma mudança, ela é efetuada imediatamente com cobrança completa do novo valor sem considerar o dia do mês em que se está. Isso é algo ridiculamente simples de resolver mas que desanima qualquer pessoa querendo experimentar um plano maior.

Finalmente, o site não funciona bem no Safari. Funciona, mas com alguns acidentes de percurso que dão a impressão de que algo está errado na manipulação Ajax, o que, conseqüentemente, gera uma experiência ruim de navegação.

No geral, a NetMovies é um serviço que eu gostaria de manter assinado. Mas a quantidade de problemas supera a quantidade de vantagens e prefiro esperar por eventuais mudanças. Na esperança que ocorram, eu congelei a minha assinatura. Espero ter oportunidade de revivê-la em algum ponto.

Dica: ack, um grep com esteróides

November 13th, 2007 § 2 comments § permalink

Dica para quem gosta do grep: ack. Ao invés de usar:

grep string $(find . -name *.rb -or -name *.rhtml -or -name *.rxml -or -name *.rjs | grep -v .svn)

Use:

ack –ruby string

Valeu também para Perl, Python, PHP, C e dúzias de outras linguagens.

F2b

January 15th, 2007 § 6 comments § permalink

Não lembro quem me indicou agora, mas passo a indicação adiante: se você está precisando de um serviço de cobrança online, eu recomendo a F2b.

Estou usando há alguns meses e não tenho absolutamente nada a reclamar. Aceitam pagamentos em boleto, cartão de débito e de crédito e possuem uma série de outros serviços interessantes para o associado. E, antes que alguém pergunte, não estou ganhando nada pela propaganda. É realmente a indicação de um cliente satisfeito.

iPhone != iMac

January 12th, 2007 § 0 comments § permalink

Via Luiz, o comentário do Steve Jobs sobre a possibilidade de programar o iPhone com aplicações desenvolvidas por terceiros:

“You don’t want your phone to be like a PC. The last thing you want is to have loaded three apps on your phone and then you go to make a call and it doesn’t work anymore. These are more like iPods than they are like computers.”

É até possível entender o raciocínio por trás desse comentário, mas é óbvio que os benefícios de uma abertura superam qualquer outro problema. A Apple, infelizmente, tem uma história estranha em relação à inovação e abertura. Geralmente lança produtos que modificam o mercado, mas não gosta de abrir nada. E quase faliu por causa disso. Era de se esperar que tivesse aprendido a lição, principalmente com os desenvolvimento recentes do mercado.

Depois de ver o vídeo de demonstração é impossível não pensar nas possibilidades. Mesmo depois do hype, permanece o fato de que o iPhone é revolucionário em muitos sentidos. E, de qualquer forma, outros produtos virão com avanços similares–ou não, considerando o tanto de patentes que a Apple tem sobre as funcionalidades do produto. É esperar o mercado. No Brasil, em todo caso, vai demorar tanto para aparecer que não dá nem para começar a preocupar com a questão.

Mas que eu queria um, isso eu queria. :-)

iPhone? iPhone!? I want a phone!

January 9th, 2007 § 7 comments § permalink

Tudo bem: o TaQ estava certo. Eu não devia ter vendido minha alma pelo celular Linux. Celular sem teclado? Celular sem teclado!? Celular sem teclado que é um iPod e com 8GB de memória!?

Caramba, mas caramba de com força. Se for programável (e rodando o OS X não tem porque não ser), esqueça Windows Mobile e QTek e Blackberry e qualquer outra coisa. Vai ser como o Zune comparado com o iPod. Ou seja, não tem comparação. Eu pago–o preço–que estiverem–pedindo.

Eu lembro de ler lido uma reportagem na Wired há alguns vários anos atrás–na revista física mesmo–sobre um cara que tinha um handheld que ele mesmo tinha feito, se não me engano, baseado em um Sharp Zaurus ou similar. Esse handheld era o computador primário dele. No trabalho, handheld mais dois monitores. Em casa, handheld mais monitor. Para ver TV, handheld controlando a tela e sei lá mais o que. A Apple trouxe isso para muito mais perto.

Com um negócio desses na mão e toda uma parafernália de acessórios, o desktop começa a morrer de forma geral. A era do PC, como disse o Om Malik, está acabando. E começando com um telefone.

Falando nisso, excelente resumo das características na cobertura da Read/Write Web.

Voltando ao que interessa: I want a phone, mister! O pior de tudo é que pode nem chegar aqui e, se chegar, pode estar cheio de restrições.

Mailinator

July 24th, 2003 § Comments Off on Mailinator § permalink

Via Joel On Software, uma excelente utilidade: o Mailinator.

O conceito é simples: se você precisa de um e-mail instantâneo e nesse exato momento, simplesmente use qualquer endereço no domínio @mailinator.com. O e-mail é criado na hora e qualquer mensagem enviada para lá permanece disponível por algumas horas. Excelente para sites que exigem um endereço de e-mail na hora do registro (geralmente para vender depois). Obviamente, a intenção não é que o site seja usado para mensagem que exigem sergurança, como a própria página do serviço explica.

Dieta para hackers

April 23rd, 2003 § Comments Off on Dieta para hackers § permalink

Programadores tendem a, digamos, possuir mais massa corporal do que o necessário. 😉 Obviamente, com o tipo de vida sedentária que geralmente levamos fica difícil manter um peso saúdavel. Eu mesmo estou uns quatro quilos acima do que seria considerado o normal para minha altura e constituição muscular. (Na verdade, o caso é pior: como eu não me exercito regularmente há muitos e muitos anos, a migração de células adiposas para a região diretamente abaixo de meu tórax se encontra em um estágio bem avançado.)

Bem, não há jeito de resolver o problema sem dieta e exercícios. E considerando a quantidade de dietas malucas por aí, contraditórias e cheias de inverdades, fica difícil pensar em começar alguma coisa do tipo.

O caso é que, ontem, checando as notícias no meu agregador RSS, encontrei uma dieta feita por um hacker para hackers. O criador é ninguém menos que John Walker, o fundador e ex-presidente da AutoDesk. Embora eu tenha um horror natural a dietas, essa parece ser interessante pela sua simplicidade. Olhando o site, a dieta parece aplicar apenas princípios comuns e conhecidos.

Segundo Walker, ele criou a dieta por causa de seu próprio problema de obesidade. Como ele já é bem-sucedido e rico, dificilmente sua motivação seria ganhar dinheiro com um esquema qualquer. E, para resolver de vez essa questão, os textos explicativos e o material relacionado são grátis. E, ao contrário da maior parte dessa “dietas” milagrosas, Walker diz que o seu plano não é fácil de ser seguido; é necessário força de vontade.

Um outro ponto intessante é que, como Walker é um cientista, ele se aproxima do problema com um visão analítica que realmente faz sentido. E, pelo menos para ele, o plano deu resultado.

Realmente interessante. Vou ter que dar uma olhada melhor no site.

Conjugador de verbos

February 27th, 2003 § 2 comments § permalink

O Verbix é uma utilidade excelente para ser manter à mão. É um conjugador online que não só é capaz de dar a conjugação verbal completa de milhares de verbos em centenas de idiomas como também mostrar verbos conjugados da mesma maneira no idioma escolhida e o verbo equivalente em outros idiomas disponíveis.

OneLook

February 3rd, 2003 § Comments Off on OneLook § permalink

Um excelente recurso para descobrir o significado de uma palavra: OneLook Dictionary Search. É um serviço que agrega dicionários e permite que uma determinada palavra seja pesquisada em mais de 850 deles em 7 idiomais.

Símbolos

January 28th, 2003 § Comments Off on Símbolos § permalink

Sempre ficou em dúvida sobre o que um símbolo gráfico qualquer significa? O site Symbols.com oferece explicações sobre o significado, usos e história de mais de 2500 diferentes símbols divididos em 54 grupos, incluindo vários ícones históricos como o representando paz e amor.

O site também possui uma pesquisa pelas características do símbolo. Por exemplo, pode-se encontrar símbolos assímetricos, fechados, com linhas retas que se cruzam. Alternativamente, pode-se pesquisar por um índice de palavras.

Where Am I?

You are currently browsing the Utilidade category at Superfície Reflexiva.