Dois tipos

April 4th, 2008 § 5 comments § permalink

Há dois tipos de pessoas que não tolero:

  • As que respondem “sim, mas”, mesmo quando você está concordando com elas;
  • As que ignoram completamente o que você falou e respondem como se você não tivesse acrescentado absolutamente nada ao argumento.

Ultimamente, nem estou me dando ao trabalho de continuar as discussões. Se a pessoa se recusa a pensar, eu não vou pensar por ela.

Brasigo

April 1st, 2008 § 8 comments § permalink

Agora que já é oficial, posso contar mais sobre o que estou fazendo aqui em São Paulo, o que me levou a sair do meu cantinho mineiro e vir para a selva. O nome da empreitada, tocada pelo Manoel Lemos, é o Brasigo, que está começando como um serviço de perguntas e respostas de brasileiros para brasileiros mas que em breve será expandido para vários outros serviços de conteúdo gerado pelo usuário.

Como ainda estamos experimentando e arrumando algumas coisas, o sistema ainda está em beta fechado, mas convites serão distribuídos por vários locais em breve. Qualquer coisa sobre isso eu posto aqui.

É um projeto ambicioso em todos os sentidos e eu já estou me sentido bem desafiado com as coisas que temos que fazer para que tudo dê certo. O melhor é que eu faço parte de um equipe super-jóia que entende de tudo e que já está me ensinando um bom bocado sobre muitos assuntos que eu conhecia em leituras e experimentos mas que agora preciso colocar na prática. Estou a pouco mais que uma semana e meia aqui e já deu para fazer bastante coisa legal.

Como o Manoel disse, é uma aventura que está começando e estamos procurando mais gente para fazer parte da equipe. Se você tem interesse, dê uma passada no blog do Brasigo e faça contato. Ou seja apenas quer usar, deixe seu nome na lista de espera e logo sairão convites.

É isso. Espero ter reduzido um pouco do mistério. :-)

Pequeno ponto azul?

March 25th, 2008 § 1 comment § permalink

Toda hora que eu penso no debate sobre aquecimento global, eu lembro de duas coisas: uma, do filme Waterworld; duas, da série Science in the Capital do Kim Stanley Robison–não necessariamente nessa ordem.

Tudo bem que o filme é uma porcaria absoluta, mas a imagem da terra coberta por água–ainda que um futuro improvável mesmo que possível–é forte o suficiente para deixar qualquer um que veja o filme pensando no que aconteceria se um cenário como aquele começasse a se desenvolver nos tempos atuais.

A série, por outro lado, é mais sobre como ciência, aplicada com afinco e humanidade, mesmo que em doses pequenas, pode resolver problemas enormes. É claro que, como os três livros da série mostram, se o problema chegar a um ponto extremo, medidas extremas serão necessárias. No livro, a Corrente do Golfo pára, e é precisa utilizar a produção de sal de dois anos de mundo inteiro para fazê-la seguir novamente antes que a economia européia entre em colapso pela falta de alimentos.

Humanos, regra geral, não pensam absolutamente no futuro, por mais que digam que sim. São raros o que se preocupam além dos próximos três ou cinco anos de seus horizontes relativamente limitados. É por isso que notícias como essa ou essa possuem vidas efêmeras–horas, quando muito, sob um foco de atenção cada vez menor. E é irônico o quanto as duas refletem os dois maiores problemas apresentados por filme e livros.

Se há alguém que ainda não acredita que o planeta está subindo no telhado, as duas únicas explicações possíveis são grossa ignorância ou deliberada ignorância. Eu me pergunto: daqui há cem anos será que a Terra ainda vai um ponto azul ou já vai estar a meio caminho para um ponto avermelhado?

O futuro do presente

March 23rd, 2008 § 11 comments § permalink

Eu sei que muita gente ficou curiosa sobre o que me trouxe a São Paulo. Com as coisas se definindo, eu posso adiantar que vou trabalhar com o Manoel Lemos e o pessoal do BlogBlogs, mas não somente neste último.

O Manoel me convidou para olhar o que ele e sua galera estão fazendo e me perguntou se eu teria interesse em fazer parte da equipe. Eu vim, vi e gostei do que o pessoal estava aprontando. O resultado é que eu já estou em São Paulo e amanhã pegamos firme nos projetos novos que serão lançados nas próximas semanas e meses.

Quem já acompanha o blog já há algum tempo sabe que meu trabalho anterior na empresa envolvia basicamente .NET, com um tanto menor de Rails. Esse novo trabalho é todo sobre Rails com metodologias ágeis e um bocado de arquitetura sobre tópicos que estão se tornando freqüentes em qualquer discussão da Web 2.0.

Assim que eu tiver mais novidades, é claro, eu posto por aqui. Por enquanto, um obrigado especial ao TaQ que deu uma força por trás das cenas em vários aspectos.

A mala e a cuia

March 20th, 2008 § 4 comments § permalink

Cheguei em São Paulo. A cidade me recebeu bem com uma chuvarada boa, congestionamento e o cinza usual. Sem problemas. Aliás, é impressão minha ou até os relâmpagos são maiores aqui? :-)

Brincadeiras à parte, agora vem a hora do ajuste–e da procura de um local para ficar. Vou precisar de sorte, muita sorte.

Desvios

March 16th, 2008 § 9 comments § permalink

Estou ficando cada vez mais convencido que a melhor maneira de ver uma coisa não acontecer para você é falar que ela vai acontecer.

Comecei o ano achando que não trabalharia com Rails durante o mesmo. Considerando os projetos que estavam para entrar, a movimentação do mercado aqui em Belo Horizonte, tudo indicava que seria um ano fraco. E principalmente porque eu também queria me afastar um pouco de Ruby e explorar mais outra linguagem. O resultado é que agora vou trabalhar basicamente em tempo integral com Rails e tecnologias relacionadas. Eu não estou achando ruim, é claro. Entre .NET e Ruby ou entre ASP.NET e Rails, eu fico sem dúvida com a segunda opção.

No campo de linguagens, resolvi que exploraria mais Lisp. Eu já brinco com a linguagem há anos, mas nunca fui tão fundo. Com meu interesse por Seaside crescendo, acabei foi indo mais para o lado do Smalltalk. Pelo visto, Smalltalk vai acabar sendo a linguagem do ano. Eu já tinha explorado bem mais Smalltalk do que Lisp, mas é bom poder verificar ambientes diferentes, experimentar o que está acontecendo de novo, e ver que a linguagem–que ainda permanece a minha favorita em elegância–está ganhando cada vez mais espaço.

Agora é só utilizar a estratégia no próximo ano: pensar no que eu quero fazer (inconscientemente, é claro, ou não vale) e jurar que não vou fazer. Vai que dá certo? :-)

Etapa 2.0

March 11th, 2008 § 28 comments § permalink

Voltei hoje de São Paulo com a confirmação: vou de mala e cuia para a metrópole. Mais um mineiro para se espantar com a enormidade da proverbial selva de concreto. Fase nova da vida, com detalhes que ainda virão próximas semanas e meses. Mas, se eu for julgar pelo primeiro dia vai dar tudo certo. Eu gostei e bastante do que vi.

Vai ser uma experiência no mínimo interessante, e isso eu digo não sem um pouco de trepidação. Depois de quase trinta anos em Belo Horizonte, dentro de um mercado bom mas comparativamente limitado, é hora de experimentar projetos diferentes e aprender bastante com uma nova turma. E, é claro, fazer muito também.

A empresa continua, mas não nas minhas mãos. E eu acho que está muito bem cuidada. Retornos, só o futuro sabe dizer nesse momento. São Paulo, aí vou eu. :-)

Lamuriento dia

March 3rd, 2008 § 4 comments § permalink

Ah! Lamuriento dia, dia quente,
dia sovino, que custa a passar.
Dia que tenta extrair da alma
o sumo, a seiva, o espírito.

Ah! Lamuriento dia, dia de sol,
luz forte, doendo no olho, esgotando
a fonte, a mente, a força.

Ah! Lamuriento dia,
mormacento, que passe e
volte jamais.

Coisas que meu filho aprendeu no último mês

February 25th, 2008 § 2 comments § permalink

  • Fazer o login no Windows e Linux com senha
  • Jogar Supertux
  • Jogar Need for Speed e ganha em todas as fases
  • Navegar no Carros do Passado

The Seaside Bookshelf, Twitter edition

February 21st, 2008 § 0 comments § permalink

Tudo bem, eu tinha prometido não falar mais do assunto tão cedo mas não resisti. Eu prometo que dessa vez eu paro pelo menos por um tempo suficiente para o blog respirar.

Essa atualização foi uma reestruturação completa da aplicação para corrigir um erro fundamental no modo como eu tinha organizado os componentes. Agora que eu aprendi mais algumas coisinhas, acho que a estrutura ficou mais lógica e mais fácil de manter.

Além disso, adicionei suporte opcional ao Twitter: quando um livro foi adicionado, marcado como sendo lido, ou terminado, uma mensagem é enviada automaticamente se uma conta estiver configurada. Esse suporte exige o Announcements para funcionar.

O código está abaixo:

Se ainda tem alguém baixando isso, divirta-se.

Where Am I?

You are currently browsing the Vida category at Superfície Reflexiva.